Guerra do tráfico mata seis em apenas quinze dias em Teresina

Os assassinatos relacionados ao mundo das drogas crecem em Teresina, onde muitos traficantes foram presos.

As mortes dos traficantes de drogas desencadearam uma trágica guerra do tráfico com seis assassinatos nas zonas Norte e Sul de Teresina em apenas 15 dias do mês de junho.

O escrivão do 7º Distrito Policial de Teresina, Ronaldo Santos, afirmou que o assassinato do traficante Alessandro Andrade Rodrigues, no último final de semana, no conjunto União, na zona norte de Teresin, foi vingança por causa da prática de outras mortes na região.

Conhecido como Gemão, ou Irmão, por ser gêmeo univitelino de Alexandre Andrade Rodrigues, tinha muito poder na região norte. "Muitos acham que a morte tem a ver com a disputa no tráfico de drogas", declarou Ronaldo Santos.

Três mortes de traficantes ocorreram na zona norte nos últimos 15 fias. Durante a noite, na semana passada, o pistoleiro, foram contratados por traficantes para matar outros. "Os grandes traficantes de drogas estão presos e determinando mortes de dentro das prisões. Por isso, a Secretaria Estadual de Justiça está encontrando tantos telefones celulares nos presídios", falou o policial militar Antônio José.

Na zona sul de Teresina, foram assassinados três jovens na semana passada que têm relação com os traficantes ou foram presos por assaltos e tinha, há pouco tempo saído das prisões.

Ontem pela manhã, o presidiário Luzimar Rodrigues Damasceno, de 39 anos, foi vítima de um acerto de contas dos seus desafetos da Colônia Agrícola Major César. Ele está em regime semiaberto e trabalha no serviço de almoxarifado dos Correios.

Luzimar Damasceno estava chegando do trabalho, quando dois homens em uma motocicleta começaram a disparar contra ele. Para se defender, acabou utilizando o aposentado José Farias Monte, de 75 anos, que estava na parada de ônibus, como escudo.

Luzimar terminou atingido por duas balas, uma no addômen e outra na perna, e José Farias teve o abdômen perfurado, mas nenhum deles morreu.

Fonte: Efrem Ribeiro