Homem matou e enterrou irmã no RS por R$ 10, diz polícia

companheira de Cássio teria participado do crime ao aumentar o volume do rádio na casa para que os vizinhos não percebessem os gritos

O jovem que matou irmã e enterrou o corpo no quintal de casa, na cidade de Gramado (RS), a 115 km de Porto Alegre, confessou que matou a irmã porque ela se negou a lhe dar R$ 10 para comprar crack, segundo informou a polícia na tarde desta terça-feira. Ele e sua companheira, uma adolescente de 15 anos, vão ser indiciados por homicídio e ocultação de cadáver.

De acordo com o delegado da Polícia Civil de Gramado que cuida do caso, Gustavo Celiberto Barcellos, em seu segundo depoimento, o jardineiro Cássio Adriano da Silva Correia, 21 anos, apresentou uma história diferente da descrita quando foi preso.

Em uma primeira versão, ele disse que matou a irmã em legitima defesa, porque ela teria avançado com uma faca contra ele e a companheira. Na segunda versão, ele disse que pediu dinheiro para irmã e a matou em um ataque de fúria.

"Ele disse que atacou a irmã com socos e quando ela caiu no chão segurou seu pescoço", afirmou o delegado. A causa da morte pode ter sido esganadura, no entanto, "isso ainda vai depender dos laudos da perícia que podem sair em até 30 dias. Já estou em contato com os médicos do IML para obter uma prévia dos exames", disse.

A companheira de Cássio teria participado do crime ao aumentar o volume do rádio na casa para que os vizinhos não percebessem os gritos. "Ele disse ainda que a companheira o instigava a matar a irmã", disse o delegado.

Após a morte, ele a companheira enterraram o corpo no quintal de casa. No dia seguinte, dois vizinhos, que já desconfiavam das brigas, vasculharam o terreno da casa e encontram um buraco onde estava enterrada a jovem de 28 anos.

Para a polícia, o caso já foi praticamente solucionado, mas ainda depende de detalhes que "devem ser solucionados em um novo depoimento do acusado".

Cássio foi encaminhado para o presídio de Caxias do Sul e a jovem para a Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (FASE).

Fonte: Terra