Incêndio provoca morte de um bebê em Fortaleza

Um incêndio irrompeu no quarto onde o bebê estava

Um bebê de seis meses de vida morreu, no último domingo (30), depois de sofrer queimaduras graves em um acidente doméstico ocorrido na residência da avó, no bairro Pan-Americano.


O caso aconteceu no sábado passado, por volta das 22 horas. A menina Monalisa Silva de Sousa estava dormindo em seu berço, na companhia da avó, quando esta resolveu sair de casa por alguns instantes, deixando Monalisa sozinha. “Foi de repente. Vimos a fumaça e, de uma hora para outra, juntou uma multidão na porta da casa”, disse o comerciante Léo dos Santos Martins, vizinho da família.


Um incêndio irrompeu no quarto onde estava o bebê, atingindo principalmente seu berço e a cama de casal dos pais dele. Moradores da Rua Piauí, onde está situada a residência, tentaram arrombar o portão de ferro e quebrar portas e janelas na tentativa de resgatar a recém-nascida. Queimaduras O Corpo de Bombeiros foi acionado pela vizinhança e, em poucos minutos, duas guarnições chegaram ao local, mas o bebê havia sofrido graves queimaduras. Monalisa foi levada para a unidade central do Instituto Doutor José Frota (IJF), onde permaneceu internada por algumas horas no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ).


Mas o bebê não resistiu. Ontem pela manhã, a mãe Elizabeth Silva Sousa e o pai, Francisco Marcos da Costa, que é policial militar, sepultaram o corpo da filha no cemitério Parque da Saudade. Do lado de fora da casa atingida pelo fogo restaram as marcas da tragédia. Os dois colchões queimados - o do bebê e o do casal - foram jogados na rua, pela família.


“Foi a maior tristeza de nossas vidas. Além de ser uma bebê linda, Monalisa tinha sido muito esperada por todos”, lamentou a tia, Maria Salete. Apurar Um inquérito policial deverá ser instaurado pela delegacia do 11º DP (Pan-Americano). Peritos do Instituto de Criminalística (IC) farão levantamentos no local do incêndio ainda hoje. Os pais da criança, assim como a avó e os vizinhos poderão também serem chamados para prestar depoimento no inquérito.

Fonte: Diário do Nordeste