Irmã de Ângela Bismarchi recebia ameaças do ex-marido, diz polícia

Angelina e Márcio Luiz Dias Fonseca brigavam bastante, pois ele não aceitava o término do relacionamento

A filha adotiva da irmã de Ângela Bismarchi, Angelina Filgueiras - morta após uma briga entre o ex-marido e o atual namorado dela na noite de sexta-feira -, viu o momento em que o capitão de fragata da Marinha Márcio Luiz Dias Fonseca, de 48 anos, o ex-marido, invadiu a casa onde elas moravam, em Niterói, com uma arma em punho. O depoimento foi dado pela polícia neste sábado. De acordo com o site G1, a jovem disse que Márcio entrou na casa, em Piratininga, por meio de uma escada para chegar ao segundo andar e pulou a janela do quarto onde estava a menina.

A adolescente correu e se trancou no banheiro após a invasão. Ela disse ter ouvido os tiros. As informações foram dadas pelo delegado Gabriel Ferrando de Almeida, da 81ª DP (Itaipu), que investiga o caso. Segundo Ferrando, a filha de Angelina está ?muito abalada?. O titular afirmou, ainda, que Márcio teria parado o carro afastado da casa de Angelina, o que reforça a tese de um crime premeditado. Márcio também morreu na briga.

Já sob ameaças

Angelina já vinha recebendo ameaças. De acordo com o delegado Ferrando, Angelina e Márcio Luiz Dias Fonseca brigavam bastante, pois ele não aceitava o término do relacionamento. Segundo Ferrando, Angelina já teria sido ameaçada pelo ex-marido caso não terminasse o namoro com Gilmar Wagner Alves Milato, de 40 anos.

- Segundo depoimento de familiares, Angelina já vinha sofrendo ameaças do ex-marido e já teria tentado suicídio anteriormente - afirma Ferrando.

A polícia trabalha com a suspeita de crimes passional e legítima defesa. Segundo depoimento de Gilmar, único sobrevivente, o capitão da Marinha teria invadido a casa de Angelina, em Piratininga, por volta das 23h de sexta-feira, portando uma pistola calibre 9 mm. Os dois homens teriam começado uma briga e Angelina teria conseguido desarmar o ex-marido, ameaçando se matar caso os dois não parassem. Como as agressões físicas continuaram, Angelina teria atirado em seu próprio peito. Gilmar contou ainda que, como estava levando a pior, correu, pegou a arma e atirou em Márcio em legítima defesa. Segundo o delegado, foram efetuados pelo menos três disparos.

Angelina foi socorrida e encaminhada ainda com vida para o Hospital municipal Mario Monteiro, também em Piratininga, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu. Márcio morreu na hora. Os corpos estão sendo examinados no IML de Tribobó.

O namorado de Angelina também foi levado para o Hospital Mario Monteiro. Gilmar se apresentou para depor espontaneamente na 77ª DP (Icaraí) na própria sexta-feira à noite, e foi liberado diante da alegação de legítima defesa. Na manhã deste sábado, policiais da 81ª DP (Itaipu) assumiram o caso e começaram a colher depoimentos de vizinhos e parentes.

Vizinhos que acompanham o trabalho polícia disseram que Angelina se mudou para o local este ano:

- Ela era tão cheia de vida, bonitona, tinha se mudado em fevereiro e estava adorando morar nessa rua - disse a moradora Rosangela Ribeiro, que está cuidando dos cachorros de Angelina.

Marido de Angela Bismarchi esteve com Angelina momentos antes de sua morte

O cirurgião plástico Wagner Moraes, marido de Ângela Bismarchi, esteve com a irmã da ex-modelo momentos antes de sua morte. Segundo ele, o ex-marido de Angelina queria conversar.

- O Márcio (ex-marido de Angelina) queria conversar comigo e eu o convidei para vir aqui em casa. Como sou praticamente vizinho da Angelina, achei melhor contar para ela que o Márcio estaria por aqui, para evitar qualquer conflito. Quando cheguei ela estava rezando, com o terço na mão, e logo depois o atual namorado dela chegou de surpresa - conta Wagner.

Embora não tenha visto o ex-marido invadir a casa de Angelina, Wagner tem um palpite:

- Quando o Márcio chegou, em vez de vir direto para a minha casa resolveu dar uma passada na da Angelina. Ele deve ter visto o carro do namorado dela lá e então subiu armado - diz.

Fonte: O Globo