Irmão de Larissa Riquelme é preso por suspeito de assalto

Irmão de Larissa Riquelme é preso por suspeito de assalto

Freddy Riquelme publicou na internet fotos comprometedoras que o ligariam a assalto a agência do Banco Itaú na semana passada.

O irmão de Larissa Riquelme passou a noite de segunda-feira, 1º, para terça, 2, atrás das grades. Freddy Riquelme foi detido por ser suspeito de integrar uma quadrilha que assaltou uma agência do banco Itaú, no Paraguai, na semana passada, mas por volta de meio-dia desta terça, 2 (horário de Brasília), foi liberado pela justiça por falta de provas.

A polícia dchegou ao nome de Freddy por dois caminhos. Primeiro, ele publicou fotos com armas e pilhas de dinheiro em seu perfil no Facebook. O álbum que abrange as fotos tem o seguinte título: "Mi Passion", ou seja, minha paixão. As fotos com armas foram publicadas no dia 11 de outubro, nove dias antes do assalto, ocorrido no dia 20 de outubro, mesma data em que Freddy publicou as fotos com uma enorme e suspeita pilha de dinheiro nas mãos.

A situação se complicou mais para Freddy Riquelme, que tem uma agência de automóveis, quando a polícia encontrou entre seus veículos um dos carros usados no assalto e identificou várias ligações para outros suspeitos do crime em seu celular.

Apesar de todos indícios contra Freddy, Larissa fez questão de demonstrar seu apoio ao irmão através do Twitter, no começo desta manhã. "Mesmo que todo mundo esteja contra você, estou e estarei ao seu lado sempre, nas horas boas e nas ruins. Te amo, irmão meu! Espero que tudo acabe bem", escreveu a musa da última Copa.

Em entrevista a uma rádio paraguaia nesta terça-feira, Freddy se defendeu das acusações e disse que o dinheiro que está exibindo nas fotos de seu perfil é de um trabalho da irmã. Seriam 7 mil euros que teria trocado logo depois em uma casa de câmbio no Shopping Multiplaza. É ele quem administra o dinheiro de Larissa. Quanto às fotos com a arma, ele perguntou: "As armas me encantam, a quem não?".

Freddy Riquelme e seus comparsas teriam roubado o valor de 1,04 bilhões de guaranis, equivalente a R$ 313 mil.

Fonte: Ego, www.ego.com.br