Italiano preso por beijar filha na boca é hospitalizado

Ele foi preso na última terça-feira (1º), acusado de ter abusado sexualmente da própria filha

O italiano preso por beijar a filha de 8 anos na boca em Fortaleza foi transferido da delegacia onde estava para um hospital, na tarde de domingo (6), após a sua pressão sanguínea subir e ele passar mal. Segundo o advogado que o representa, Flávio Jacinto, a filha chegou a visitá-lo em companhia da mãe.

"A filha estava muito angustiada, chorava e pedia para ver o pai, até porque ela não sabe o que ele foi preso. Ela ainda não o havia visto desde a prisão. Mas ela não ficou sozinha no hospital. Até porque há escolta policial na porta do quarto", contou Jacinto ao G1 nesta segunda-feira (7).

Ele foi preso na última terça-feira (1º), acusado de ter abusado sexualmente da própria filha. Um casal de turistas que estava na mesma barraca, localizada na Praia do Futuro, chamou a polícia e alertou os seguranças do lugar após vê-lo dar dois beijos na boca da filha.

O estrangeiro segue internado no Hospital Gênesis, que é particular. "Quando o visitei no final da manhã de domingo, ele estava muito nervoso e não havia comido. Vi que ele não estava bem e chamei uma médica, que constatou que a pressão dele estava muito alta -19 por 8, se não me engano", disse. "Diante da crise de hipertensão, a médica recomendou a internação imediata."

Segundo o advogado, ainda não há previsão de alta. "Os médicos é que poderão dizer isso." Jacinto afirma que a cela onde ele estava no 2º DP era muito abafada. "Fazia muito calor. Apesar de ter ficado sozinho, a cela não tinha a menor condição. Eu mesmo precisei levar um colchão para ele. A primeira noite ele dormiu no chão."

Habeas corpus

O italiano teve um habeas corpus negado no sábado (5) pelo Tribunal de Justiça do Ceará. Ele não se manifestou e disse que só falaria em juízo. O advogado do acusado deve entrar com novo pedido de habeas corpus ainda nesta semana.

Pesa sobre ele a acusação de estupro vulnerável, prevista no Artigo 217-A, da Lei 12.015, mais rigorosa, que entrou em vigor em agosto.

A mulher dele, uma brasileira de 38 anos, que vive há 16 na Itália, o defende e diz que esteve na piscina perto dele e da filha. O casal que fez a denúncia, no entanto, afirma que ela não estava no local e que o italiano passou quase toda a tarde sozinho com a menina. Funcionários da barraca vão prestar depoimento nesta terça (8).

O italiano estava na piscina com a filha. O casal o acusa: "Para mim, quando eu vi pela primeira vez, pensei que fosse um casal namorando na piscina. Só que a menina subiu e eu vi que era uma criança. Depois ficaram falando muito próximos um do outro, foi quando ele a beijou duas vezes na boca".

?Não se tratava de uma relação pai e filha, era claramente uma situação em que um homem mais velho acariciava uma garota de menos de 10 anos de idade, com carícias muito, de certa forma, muito quentes, né??, completa outra testemunha.

A mãe dela contra uma história diferente: ?São selinhos, não são beijos de língua, não é isso. São selinhos. Ela é muito apegada ao pai. Eu também faço com ela. Não aconteceu nada naquele dia. Ninguém veio falar conosco, ninguém disse nada enquanto estávamos dentro da piscina. Não percebemos olhares estranhos?.

Consciência tranquila

O delegado Barbosa Filho, que fez o flagrante, diz que agiu conforme a nova legislação penal, publicada no mês passado. "As testemunhas foram concisas, contundentes em dizer que ele estava praticando ato libidinoso com a filha dentro da piscina e beijou a menina por duas vezes e acariciou as partes íntimas da mesma. O depoimento do casal fez com que eu lavrasse o devido flagrante. Minha consciência está tranquila no caso", explica o delegado Barbosa Filho.

Segundo o advogado Flávio Jacinto, o desembargador responsável pela decisão quer esperar a juíza da 12ª Vara Criminal da capital se posicionar sobre o caso.

"Ele [desembargador] disse que só vai decidir se aprova ou não o pedido de habeas corpus quando o juizado criminal se pronunciar sobre o caso. O fato é que o italiano vai ficar preso até terça-feira (8), quando termina o recesso do judiciário por causa do feriado da Independência. O mesmo pedido de habeas corpus será analisado novamente", explicou o advogado.

Fonte: g1, www.g1.com.br