Jovem de 19 anos matou ex-namorada após fotos sensuais vazarem na internet: "Não podia sair viva"

Jovem de 19 anos matou ex-namorada após fotos sensuais vazarem na internet: "Não podia sair viva"

Delegado disse que suspeito comeu churrasco ao lado do corpo da vítima.

Um dia depois de confessar a morte da ex-namorada, o jovem Christian Cunha, 19 anos, disse, em depoimento à polícia, nesta quarta-feira (19), que Bárbara Richardelle, 18 anos, sabia demais da vida dele e que ela ?não deveria sair dali viva?. Segundo a polícia, o rapaz desenhou o caminho que fez até abandonar o corpo da vítima.

Bárbara foi assassinada dentro do canteiro de uma obra em Vila Velha e o corpo foi abandonado às margens da Rodovia Darly Santos, na madrugada de terça-feira (18), cinco horas depois do assassinato. De acordo com as investigações da polícia, a jovem foi até o ex-namorado. Os dois já discutiam, há algumas semanas, após a jovem descobrir que fotos sensuais dela vazaram na internet. A vítima foi encontrada com sinais de estrangulamento, com o olho roxo e uma lesão na cabeça.

O corpo de Bárbara foi velado no Centro Comunitário de Riviera da Barra, em Vila Velha, na Grande Vitória, e o enterro aconteceu às 16 horas e a família não informou o local.

Prisão

O jovem Christian Cunha se apresentou na Delegacia de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), nesta terça-feira, e confessou o assassinato da ex. Em depoimento, contou que ele e Bárbara namoraram durante 1 ano e 3 meses, mas o relacionamento terminou um pouco antes do carnaval por causa do vazamento das fotos.

Os pais da vítima acompanharam o depoimento do jovem e se mostraram inconsoláveis com o desfecho do desaparecimento da filha. Segundo a polícia, antes de ser preso, Christian manteve contato com a família de Bárbara durante toda a noite e madrugada, dizendo que não sabia nada sobre o paradeiro da menina. A polícia informou que familiares da vítima alegaram que o rapaz demonstrou preocupação ao ser questionado do desaparecimento.

Crime

Nesta segunda-feira (17), Christian pediu para que Bárbara passasse em uma obra na Praia da Costa, em Vila Velha, sob responsabilidade da empresa do seu pai, por volta das 17 horas. No local, os dois discutiram mais uma vez, e a menina foi embora.

No entanto, de acordo com o rapaz, a ex-namorada retornou ao local por volta das 19 horas, mas outra discussão aconteceu. Nervosa, a menina disse que não queria continuar a conversa, e citou que "o atual namorado iria buscá-la". A família da moça diz desconhecer um novo namorado de Bárbara.

Transtornado com a informação, Christian disse ter surpreendido Bárbara, que tinha lhe dado as costas, e a esganou. Com o ato, ela desmaiou, e ele acreditou que a ex-namorada estava morta. Ele então arrastou o corpo da menina para dentro da obra, e permaneceu ao lado dele até as 22 horas.

Christian relatou à polícia que, em um determinado momento, saiu da obra para comprar churrasquinho e guaraná. Segundo o delegado, ele se alimentou ao lado do corpo da ex-namorada e, ao perceber que Bárbara se mexeu, pegou uma cavadeira de obra e a golpeou na cabeça.

De acordo com o depoimento do rapaz, por volta das 2 horas, ele abriu uma caixa de papelão no porta-malas do carro, colocou o corpo da ex-namorada e o levou para a Rodovia Darly Santos. ?Ele ficou comendo e bebendo ao lado do corpo. Quando a mãe ligou a procura da filha, Christian disse que não tinha notícias?, disse o delegado.

No início da noite desta terça-feira, a polícia fez a uma simulação do crime, na obra onde Bárbara foi assassinada. Christian Cunha esteve presente e não demonstrou nenhum traço de emoção.

Desaparecimento

De acordo com a família, a jovem trabalhava como vendedora em Vila Velha e não voltou para casa após o expediente, na segunda. A família procurou a polícia por conta do desaparecimento, e foi informada sobre a morte na manhã desta terça-feira.

Números

Segundo o Mapa da Violência 2012, realizado pelo Instituto Sangari, o Espírito Santo é o estado com o maior número de homicídios de mulheres no Brasil. A taxa capixaba, de 9,4 mortes em cada 100 mil mulheres, é maior que o dobro da média nacional.

Fonte: G1