Jovem diz que foi violentada mais de 43 mil vezes no México

Karla Jacinto acredita que foi estuprada em torno de 43.200.

Uma mulher que foi explorada sexualmente após cair nas mãos do crime organizado do México falou do seu tormento durante esse período. Karla Jacinto acredita que foi estuprada em torno de 43.200 vezes depois de ser forçada a dormir com pelo menos 30 homens todos dos dias por 4 anos.  As informações são do site The Independent .

Quando tinha 12 anos, ela foi atraída por um traficante que prometendo presentes, dinheiro e carros, a levou para longe de sua família. O homem, de 22 anos, convenceu a jovem a ir com ele para a cidade de Tenancingo, no estado de Tlaxcala, que é conhecida por ser um importante cento de tráfico humano.

Karla contou que viveu com um traficante durante três meses antes de ser levada para Guadalajara, uma das maiores cidades do México, onde foi forçada a trabalhar como prostituta.

“Começava às 10h e só terminava à meia-noite. Alguns homens riam de mim quando eu chorava. Tinha que fechar meus olhos para não ver o que eles estavam fazendo comigo, para não sentir nada”, disse.

Uma vez, um traficante atacou a jovem ao ver um cliente saindo com marcas de beijos no pescoço. “Ele começou a bater em meu corpo com uma corrente, me deu socos com os punhos, me chutou, puxou meus cabelos, cuspiu na minha cara e me queimou com um ferro”, relatou.

Ela contou que uma operação policial para resgatá-las se transformou em horror quando oficiais começaram a filmar as meninas, algumas com apenas 10 anos, em posições comprometedoras.

Nos Estados Unidos, 5 dos 10 traficantes sexuais mais procurados são de Tenancingo, que tem uma população de apenas 11 mil pessoas.

De acordo com um estudo realizado em 2010 pela Universidade de Tlaxcala, uma em cada cindo crianças da cidade aspira ser cafetão, enquanto dois terços conhecem pelo menos um parente ou amigo que trabalha como cafetão ou traficante.

Karla foi resgatada em 2006 durante uma operação anti-tráfico na Cidade do México. Agora, com 23 anos, ela luta para que sua história não se repita com outras meninas.


Exploração sexual (Crédito: Getty Images )
Exploração sexual (Crédito: Getty Images )
Fonte: Com informações da Terra