Jovem é morta com tiro na cabeça e companheiro tem orelhas cortadas

Policiais da 1ª Companhia do 6º BPM foram acionados para o local da ocorrência

A adolescente Raquel Adna da Silva Martins, 16, a ?Dentinha?; e o seu companheiro, Adinaldo Ribeiro da Silva, 35, o ?Dunga?, foram encontrados mortos, na tarde de ontem, por um agricultor, na localidade de Sítio Montenegro, em Pajuçara, Maracanaú. O casal apresentava perfurações a bala na cabeça e o homem teve a orelha cortada pelos assassinos.

Policiais da 1ª Companhia do 6º BPM (Maraponga) foram acionados para o local da ocorrência. De acordo com o subtenente PM Francisco de Assis, o crime tem características de ?acerto de contas?, possivelmente motivado pelo tráfico de drogas. Segundo os primeiros levantamentos da Polícia, ?Dunga? era envolvido em outros crimes, como roubo, mas também ligado ao tráfico de drogas.

Pelo estado dos corpos a Polícia acredita que o crime ocorreu na noite ou madrugada de ontem. O local onde os dois cadáveres foram encontrados é de difícil acesso, com muita lama e mato.

Orelha

Os peritos do Instituto de Criminalística (IC) confirmaram que a adolescente foi atingida com um único tiro na testa. No corpo de ?Dunga?, foram encontradas duas perfurações, uma nas costas e outra na nuca. Um dos fatores que fazem a Polícia acreditar em execução devido ao tráfico de drogas, foi a orelha cortada.

Para o major PM Ricardo Moura, supervisor do policiamento da Capital, o fato de os matadores terem cortado a orelha de ?Dunga? é um forte indicativo da ligação com o tráfico. ?Além desse detalhe, característico dos homens do tráfico. Essas execuções sumárias também indicam provavelmente dívidas com os traficantes?.

Conforme as informações repassadas por familiares, o casal tinha uma filha de oito meses. Inicialmente, parentes ficaram desesperados, pois não sabiam onde a criança estava. Alguns pensavam que ela havia sido levada pelos criminosos. Depois, amigos informaram que a menina estava na casa da avó, mãe da adolescente.

O irmão de ?Dunga?, Adilson Ribeiro da Silva, 39, afirmou que o irmão não estava mais envolvido com o crime. ?Ele estava quieto, trabalhando na minha casa, como pedreiro?. O caso será investigado pela equipe do 29 º DP (Pajuçara).

Fonte: Diário do Nordeste, www.diariodonordeste.com.br