Jovem leva um tiro na cabeça após tentativa de um assalto e sobrevive

Apesar dos ferimentos, a vítima sobreviveu e não teve sequelas.

Um jovem de 22 anos levou um tiro na cabeça e outro no ombro após reagir a uma tentativa de assalto na noite desta quarta-feira (23) em um bar do Jardim Botânico (DF). Apesar dos ferimentos, a vítima sobreviveu e não teve sequelas.

Toda a ação foi filmada pelo circuito interno de segurança de um dos prédios locais. Pelas imagens, é possível ver que o jovem entra no carro, uma caminhonete branca, e permanece bastante tempo no veículo. De repente, um bandido chega e anuncia o assalto. O motorista sai do carro e reage.

Os dois entram em luta corporal e um segundo assaltante entra em cena para dar apoio ao comparsa. Na sequência, a vítima leva uma coronhada e um tiro. Depois disso, os suspeitos, assustados, desistem do assalto e saem correndo. Durante a tentativa de latrocínio (roubo seguido de morte), as câmeras de segurança flagraram que um dos assaltantes estava com uma latinha de cerveja na mão. Após o crime, a vítima entra no carro consciente, dá a ré e sai atrás de socorro.

O crime aconteceu por volta das 23h30 no estacionamento de uma das áreas mais nobres de Brasília. A vítima estava assistindo a um jogo de futebol e se preparava para ir embora quando foi abordada. Algumas testemunhas só estranharam o fato do rapaz ter ficado tanto tempo dentro do veículo, o que deu oportunidade para os bandidos agirem.

Uma mulher viu como tudo aconteceu pela janela de casa e, com medo de ser identificada, contou como tudo aconteceu.

? Estava no meu quarto e vi o momento em que começaram a discutir. Um deles perguntava se o outro estava louco e ameaçava "meter bala". Quando olhei na janela, o indivíduo já estava atirando contra outros dois que lutavam. Ele deu um tiro, depois dois seguidos. O motorista conseguiu sair sozinho, consciente, de carro e foi em direção à farmácia.

O tiro acertou o jovem, identificado como Igor Quadros, na cabeça e no ombro. Ele está internado sem gravidade e deve ser operado. O delegado Érito Cunha, responsável pelo caso, desconfia que os assaltantes estavam no mesmo bar da vítima e só esperaram o momento certo para agir.

? Ele cometeu dois erros. O primeiro foi ter permanecido por muito tempo no veículo. Se tivesse entrado e saído não teria sido vítima. O segundo e mais grave foi ter reagido ao assalto. Ele levou um tiro na cabeça e outro no tronco e por muita sorte está vivo, passa bem e não teve sequelas. A orientação é nunca reagir, porque as consequências podem ser graves e irreversíveis.

Até o momento, ninguém foi preso.

Fonte: r7