Jovens que teriam sido abusadas por banda dizem que família segue recebendo ameaças

Jovens que teriam sido abusadas por banda dizem que família segue recebendo ameaças

Dez integrantes estão presos desde o dia 26 de agosto em feira de Santana

Os parentes das duas adolescentes que dizem terem sido estupradas por integrantes da banda de pagode New Hit, afirmam que continuam recebendo ameaças de morte. Os dez foram detidos no dia 26 de agosto e seguem presos no presídio de Feira de Santana, na Bahia.

A irmã de uma delas conversou com o R7 e não quis se identificar. Ela afirmou que na semana passada a família das duas mudaram de casa e não puderam retornar.

? A nossa vida parou. As duas deixaram a escola, deixamos nossa casa e sabe Deus quando voltaremos a ter paz. Não fizemos nada de errado, pelo contrário, somos vítimas.

Os jovens receberam a primeira visita de parentes no presídio nesta quinta-feira (6). Os familiares puderam levar comida, e alguns disseram que os rapazes estão abalados.

Os advogados dos integrantes da banda entraram com um novo recurso, pedindo a liberdade provisória dos suspeitos. O primeiro habeas corpus foi negado na última segunda-feira (3), depois que um laudo da perícia comprovou que as menores foram abusadas.

O advogado Cleber Andrade defende oito dos dez suspeitos e disse que entrou com um recurso no Tribunal de Justiça da Bahia na última terça-feira (4). Antônio Leite defende o coreógrafo da banda e pediu a liberdade do cliente na quarta-feira (5). O policial envolvido no caso é defendido pelos advogados de uma associação policial.

Na segunda-feira, o delegado Marcelo Cavalcanti, responsável pela investigação do caso, divulgou o laudo feito pela perícia. O exame comprova que as duas adolescentes foram abusadas.

? O laudo confirma a versão apresentada pelas meninas, mas não posso dar mais detalhes porque elas são menores de idade. O laudo de uma segunda perícia, feita nas roupas delas, deverá sair em até 30 dias e servirá como prova também.

O delegado ainda afirmou que continua ouvindo testemunhas e tenta identificar a participação de cada integrante no caso.

Fonte: R7, www.r7.com