Juiz é investigado por acúmulo de R$ 30 milhões em apenas 30 meses

Foi ordenado o sequestro de 19 imóveis que o juiz incorporou ao seu patrimônio.

Com remuneração bruta de R$ 19.490, o juiz Élcio Fiori Henriques, do Tribunal de Impostos e Taxas (TTT) da Secretaria da Fazenda do Estado acumulou R$ 30,75 milhões em imóveis de alto padrão em apenas dois anos e meio. Suspeito de lavagem de dinheiro e crime contra administração pública, ele viu a Justiça decretar o bloqueio de todos os seus bens. Segundo os investigadores, Élcio teria negociado redução de valores de autuações impostas a pessoas jurídicas. Ao todo, duas decisões judiciais congelam sua fortuna: uma da Justiça criminal, outra da 9.ª Vara da Fazenda Pública, que viram risco de ocultação e dilapidação de ativos de Fiori. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Foi ordenado o sequestro de 19 imóveis que o juiz incorporou ao seu patrimônio e ao de sua empresa, a JSK Serviços, Investimentos e Participações Ltda., entre 4 de março de 2010 e 5 de outubro de 2012. Parte dos imóveis foi adquirida com dinheiro em espécie, segundo testemunhas. Entre março de 2010 e agosto de 2011, o magistrado e a empresa compraram e revenderam 22 imóveis de luxo. Nessas transações, Fiori lucrou R$3,82 milhões. "Mesmo num mercado imobiliário superaquecido, os lucros obtidos são desproporcionais e fora dos padrões observados no mercado", diz o Ministério Público. A investigação sobre o enriquecimento relâmpago do magistrado tem base na Operação Lava-Rápido, da Polícia Federal e da Procuradoria da República que desarticulou organização criminosa infiltrada em setores da Fazenda para se apoderar de processos fiscais de empresas autuadas.

Fonte: Terra