GO: Justiça transfere adolescentes suspeitas de matar colega a facadas

Adolescentes serão levadas para um centro socioeducativo em Goiânia

A Vara da Infância e Juventude de Jataí, no sudoeste de Goiás, determinou na quinta-feira (1º) a transferência das menores de 16 e 17 anos, suspeitas de matar a facadas a estudante universitária Bianca Pazinatto, 18 anos, para um centro de atendimento socioeducativo, em Goiânia. Conforme a medida, no mesmo dia as meninas deixaram a Delegacia de Apuração de Atos Infracionais (Depai), onde estavam desde terça-feira (30).

Elas foram encaminhadas de Jataí para a capital após um pedido do Conselho Tutelar. O órgão temia que a integridade física das suspeitas não pudesse ser resguardada na cidade do sudoeste goiano, já que há uma forte comoção popular com o crime. No entanto, conforme determina o Estatuto da Criança e do Adolescente, elas só poderiam ficar apreendidas na Depai por, no máximo, cinco dias, o que motivou a nova transferência.

A decisão da transferência é do juiz Thiago Soares Casteliano, que também será responsável pelo caso. A sentença final deve ficar pronta dentro de 45 dias.

O corpo de Bianca foi encontrado na segunda-feira (29) na casa da menina mais velha, embrulhado em sacos plásticos debaixo de uma cama. Em entrevista, a suspeita contou que a motivação do assassinato seria a recusa da vítima em manter um namoro. "Ela não ia ficar comigo. Não queria que ficasse com mais ninguém também", declarou. Segundo a suspeita, Bianca tentou lutar antes de ser morta. ?Ela se debateu e queria gritar. Ficou muito desesperada?.

A família de Bianca nega que a jovem tivesse qualquer relacionamento homoafetivo com a adolescente. ?Ela não queria envolvimento com essa jovem. Bianca era perseguida?, contou Júlia Pazzinato, tia da vítima.

Os pais da estudante ainda não falaram sobre o crime. No entanto, um tio da jovem garante que ninguém tinha conhecimento sobre o interesse amoroso da menina por Bianca. ?Não sabíamos nem da tal carta em que a garota se declarou. Se havia a vontade de um relacionamento, era por parte da menor, pois minha sobrinha nunca correspondeu. Ela até tinha um namorado?, afirmou João Pazinatto.

A tese é reforçada pela mãe da suspeita de 17 anos, que garantiu não ter ciência sobre qualquer ligação entre as duas. ?Nunca soube de nada?, disse a mulher, que pediu para não ser identificada. De acordo com a mãe, a filha está ressentida com o caso. ?Ela me pediu perdão e está muito arrependida?.

Fonte: G1