Justiça manda soltar acusada de participação na morte dos pais

Justiça manda soltar acusada de participação na morte dos pais

Ela foi transferida para um presídio de Brasília ainda na quinta-feira

O desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios George Lopes Leite concedeu na nesta sexta-feira (28) liminar para libertar a arquiteta Adriana Vilella, presa na quinta (27), em Ipanema, no Rio de Janeiro e transferida para um presídio de Brasília no mesmo dia. Segundo a assessoria do TJDFT, ela pode ser solta a qualquer momento.

Ela é acusada de participação no assassinato do pai, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Vilella, da mãe, Maria, e da empregada da família Francisca Nascimento, mortos com 73 facadas dentro de casa, em Brasília, em agosto de 2009.

Para a polícia do Distrito Federal, a filha do ex-ministro teria tido ?envolvimento direto" no crime. Ela sempre negou as acusações.

A decisão foi assinada pelo juiz pouco antes do meio dia desta sexta. Adriana foi detida no Rio e transferida para Brasília. Desde a noite de quinta, ela está no Presídio Feminino do DF, conhecido como Colmeia.

O Ministério Público, que foi quem fez o pedido da prisão de Adriana, agora só pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) da decisão do desembargador - e não a instâncias inferiores.

Fonte: g1, www.g1.com.br