Justiça nega habeas corpus a procuradora

Justiça nega habeas corpus a procuradora

A decisão é referente a um pedido de liminar feito no dia 7 de maio pelo advogado da acusada

A Justiça do Rio negou nesta segunda-feira (10) a liminar que pedia a liberdade provisória da procuradora aposentada Vera Lúcia de Sant?Anna Gomes. Com isso, a prisão preventiva dela está mantida, mas a acusada está foragida da Justiça.

Ela é suspeita de torturar uma menina de 2 anos, que estava sob sua guarda para adoção. A procuradora é considerada foragida desde a semana passada.

A decisão é referente a um pedido de liminar feito no dia 7 de maio pelo advogado da acusada. A Justiça ainda julgará o mérito do habeas corpus, mas o Tribunal de Justiça não informou quando será o julgamento. O advogado da procuradora, Jair Leite Pereira, afirmou que vai aguardar o julgamento do mérito para que sua cliente se entregue.

Ela teve a prisão preventiva decretada na quarta-feira (5), pelo juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, que está em exercício na 32ª Vara Criminal. Ele reconsiderou a decisão anterior que previa a apreciação do caso pelo 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.

A desembargadora Gizelda Leitão Teixeira, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, é a relatora do processo. Ao receber o documento, ela disse que o assunto é muito delicado e que merece um estudo apurado e criterioso.

"Desprezo pelas leis e pelas decisões judiciais"

Segundo a desembargadora, ?os argumentos trazidos na impetração são contrariados pela realidade que se tem notícia?. Ela afirmou também que constatou ?depoimentos de testemunhas presenciais da crueldade com que a menor seria tratada dentro de casa?. De acordo com o texto da decisão, a menina era constantemente espancada com socos, chutes, puxões de cabelo e era mantida trancada em um quarto.

Gizelda lembrou na sentença que a menor não foi matriculada em uma escola. De acordo com Gizelda, ?há motivos e bem contundentes? para que a procuradora seja mantida custodiada, pois ?demonstrou verdadeiro desprezo pela lei e pelas decisões judiciais?, escreveu, lembrando que a procuradora desapareceu.

Fonte: g1, www.g1.com.br