Justiça nega pedido de revogação de prisão do acusado de matar Eliza

Justiça nega pedido de revogação de prisão do acusado de matar Eliza

Defesa de Bola diz que vai entrar com um habeas corpus paralelo no STF

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) divulgou nesta terça-feira (9) que o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos vai continuar preso cautelarmente pela acusação de envolvimento no assassinato de Eliza Samudio, ex-namorada do goleiro Bruno. A decisão tem efeito imediato e vale em caráter liminar, pois ainda será apreciada por quatro ministros e pelo relator em data ainda a ser definida.

O pedido de revogação da prisão provisória foi apreciado pelo desembargador convocado e relator Celso Limongi, que negou liminar à defesa de Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola. Os advogados do acusado justificavam que mantê-lo preso configurava constrangimento ilegal. O habeas corpus foi impetrado por Adriano Ferreira Amaral, que auxilia Zanone Manuel de Oliveira Júnior na defesa de Bola no processo.

Segundo a assessoria do STJ, o desembargador considerou que o decreto de prisão de todos os envolvidos no caso está fundamentado na conveniência da instrução criminal, baseado em notícias de intimidação de testemunhas. Ainda de acordo com o STJ, Celso Limongi teria definido que este dado impede a concessão da liberdade.

O STJ informou, ainda, que a prisão cautelar de Marcos Aparecido está fundamentada na periculosidade do acusado Marcos Aparecido, apontado pelo inquérito como executor da vítima. Além dos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, Marcos foi denunciado por sequestro e cárcere privado qualificado e corrupção de menores majorada.

O advogado de Marcos Aparecido, Zanone Manuel de Oliveira Júnior, disse ao G1 que vai entrar com um habeas corpus paralelo no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda nesta semana. ?Considero a decisão injusta, mas já esperava o indeferimento porque o processo é muito complexo?, disse.

Fonte: g1, www.g1.com.br