Mãe de jovem morta na Itália sabia do caso da filha com chefe

Mãe de jovem morta na Itália sabia do caso da filha com chefe

Segundo ela, empresário disse que estava separado da esposa. Homem foi preso suspeito de matar a uberlandense na última semana.

A mãe de Marília Rodrigues Silva Martins, de 29 anos, encontrada morta na última sexta-feira (30) na Itália, disse ao G1 antes de embarcar para o país que sabia do relacionamento da filha com o chefe dela. Natália Maria da Silva contou que os dois estavam juntos e que o bebê que ela esperava era do empresário, principal suspeito do crime. Ainda segundo a mãe, o homem não dizia que estava casado, pelo contrário, afirmava para a jovem que estava separado.

Marília Rodrigues Silva Martins foi encontrada morta com sinais de estrangulamento na cidade de Gambara, em Bréscia, na Itália. Nesta terça-feira (3), a polícia italiana prendeu o empresário e dono da empresa onde a uberlandense trabalhava.

Para tentar ajudar na investigação, Natália Maria viaja no início da tarde desta quarta-feira (4) para o país e informou que poderá contribuir com informações sobre o relacionamento da brasileira com o empresário. O pai da vítima e o tio Fernando Martins, que é promotor de Justiça de Uberlândia, já estão na Itália e acompanham tudo de perto.

A uberlandense estava grávida de quase cinco meses e a mãe confirmou que o filho era do chefe dela, que era casado. ?Fui a primeira a saber da gravidez e ele disse para minha filha que estava separado da esposa", relatou. A jovem trabalhava em uma empresa que atua na área de compra e venda de aeronaves e helicópteros. ?Eu quero chegar lá e saber o que houve, ainda não sei muita coisa, pois tinha cinco dias que não falava com minha filha?, disse.

Passagem com ajuda dos amigos

Para embarcar para a Itália, Natália Maria contou com ajuda de amigos em Uberlândia, entre eles o assessor político Antônio Carrijo. ?Ela já trabalhou comigo e é uma ótima pessoa. Quando soube da situação fiquei mobilizado e ofereci todo o apoio?, disse.

O assessor político se reuniu com amigos e empresários para ajudar na compra da passagem, que ficou em torno de R$ 8 mil. Carrijo acredita que o empresário italiano tenha premeditado o crime e afirmou querer ajudar para que a Justiça seja feita. ?Eu tenho filhos e entendo como deve ser difícil não ter informações do que acontece quando estão longe?, contou.

Para a mãe da uberlandense morta na Itália, foi uma forma de mostrar o quanto é importante a amizade. Ela disse que quando chegar ao país, onde já morou, vai contar com ajuda de antigos patrões e amigos brasileiros que moram lá. ?Fiquei muito agradecida aos que me ajudaram. Vi que quando fazemos as coisas certas as pessoas nos retribuem?, finalizou.

Fonte: G1