Caso bancário: Flanelinhas conhecem acusado, diz mãe

Caso bancário: Flanelinhas conhecem acusado, diz mãe

A delegada da Polinter não concedeu entrevista e diz apenas que as investigações estão em andamento

A equipe da Rede Meio Norte esteve na Polinter nesta quinta-feira, 27, para saber o ritmo das investigações sobre o sequestro do bancário do Banco Itaú, ocorrido no último dia 24, segunda-feira. A delegada Adilha, sem gravar entrevista, confirmou que nem o carro foi recuperado e nem o bandido foi preso.

Ela garante que as investigações estão avançando. O bancário se encontrava no estacionamento próximo ao banco, por volta das 18h30, ao encerrar seu expediente. Ele foi abordado por um homem quando entrava no seu veículo. O bandido puxou um revólver e anunciou o sequestro.

Os dois entraram no veículo do bancário e saíram pelas ruas de Teresina. Após um certo trecho, o bandido colocou o funcionário no porta-malas e depois de alguns quilômetros, o bancário tentou se libertar do porta-malas, conseguindo abri-lo mesmo em movimento e pulou para fora.

Segundo relato, o bancário ficou bastante machucado e abalado emocionalmente com o sequestro. O veículo da vítima ainda não foi localizado.

A mãe do bancário afirma que flanelinhas que testemunharam o ocorrido não foram ouvidos pela polícia. ?Eles conhecem o acusado e não querem entregá-lo. A polícia não veio aqui e nem solicitou as imagens do banco.?

Fonte: Denison Duarte