Mãe fecha quarto com grades com medo de filho usuário de crack no Espírito Santo

Mãe fecha quarto com grades com medo de filho usuário de crack no Espírito Santo

Homem já foi internado em clínicas de recuperação por diversas vezes

?Se a droga acabar, acaba também a minha alegria, por que ele quer usar de qualquer jeito?, conta a mãe de um usuário de crack que mora em Vitória. Maria José Pereira Matias, de 64 anos, colocou grades na porta e na entrada de ar do quarto e fechou com lajotas a janela do cômodo para impedir a entrada do seu filho quando está sem usar crack.

O filho de Maria José tem 32 anos e é dependente da droga há mais de 10. Segundo a família, o homem já foi internado em clínicas de recuperação por diversas vezes, mas sempre sai antes do tratamento terminar. Maria José contou que a última vez seu filho ficou internado por apenas dois dias, mas acabou fugindo do local.

?A assistente social da prefeitura de Vitória me disse que quando ele estiver agressivo, querendo a droga e não ter, é para eu sair de casa ou ficar trancada dentro do meu quarto. O que eu não posso é ficar na frente dele, por que meu filho pode ficar perigoso e fazer certas coisas que vai se arrepender depois?, contou a mãe.

Para Maria José, seu filho precisa de ajuda. ?Ele não é um filho ruim, ele é um filho bom, mas a droga deixa ele desse jeito. Quando ele está usando o crack fica ótimo, feliz e conversa comigo, mas se a a droga acabar, acabou a minha alegria, por que ele quer usar de qualquer jeito. A pedra é terrível?, desabafou.

O usuário, que não quis se identificar, contou à reportagem que tem vergonha de usar a droga, mas não consegue parar. ?Eu amo a minha mãe e tenho vergonha de ser usuário do crack. Sinto vergonha de olhar a pedra derretendo no cachimbo, é uma cena que eu não gosto, mas não consigo evitar. Eu tento fazer tratamento mas não consigo?, disse.

Dentro da geladeira, a mãe deixa apenas o essencial. ?Se tiver alguma coisa boa ele troca por pedra. Eu vivo pela misericórdia de Deus, é muito sofrimento?, declara.

Fonte: G1