Mãe mata bebê e esconde o corpo em armário por 5 anos, diz polícia

'Asfixiou a menina e guardou o corpo dentro do guarda roupa'.

Uma professora, ainda não identificada, foi presa em Goiânia, Goiás, acusada de cometer um crime bárbaro. De acordo com informações da Polícia Civil, ela é suspeita de ter matado a própria filha, um bebê, e escondido o corpo dentro de um armário por 5 anos. Ela deu à luz no ano de 2011 e só agora o caso veio à tona.

A delegada responsável pelo caso, Ana Cláudia Stoffe, explica que o corpo foi escondido dentro de um armário. Segundo a delegada, a acusada era casada com um homem que viajava com bastante frequência e ela estava com medo dele descobrir traição. Ele havia feito vasectomia e poderia, obviamente, descobrir que o filho não era seu. 

Professora presa acusada de matar a própria filha (Crédito: Vitor Santana/G1)
Professora presa acusada de matar a própria filha (Crédito: Vitor Santana/G1)

"A mãe confessou que, desesperada, com medo que o marido descobrisse a traição, porque ele já tinha feito vasectomia, e sem jeito de levar a criança para casa, asfixiou a menina e guardou o corpo dentro do guarda roupa dela por 20 dias", afirmou.

Para evitar que o cheiro do corpo fosse percebido, ela enrolou o recém-nascido, ainda com o cordão umbilical e a pulseira da maternidade, em diversas sacolas plásticas. Depois de 20 dias, a mulher colocou o corpo dentro de uma caixa com mais plástico e papelão e trancou dentro de um armário no prédio em que morava.

O crime só foi descoberto na terça-feira. "Ela e o marido dela na época estavam separados desde outubro do ano passado, quando ele descobriu uma outra traição. Eles moravam em casas separadas, e o apartamento estava vazio. Quando ele foi lá para buscar algumas coisas, pois o imóvel seria vendido, achou essa caixa toda lacrada. Quando ele abriu, sentiu o cheiro forte e acionou a policia", relatou a delegada.



Fonte: Com informações do G1