Mãe é suspeita: Irmãs morreram envenenadas, diz laudo técnico

Mãe é suspeita: Irmãs morreram envenenadas, diz laudo técnico

Mãe das vítimas está presa desde 14 de setembro acusada de matá-las.

Laudos necroscópicos da Polícia Técnico-Científica de São Paulo concluíram que as filhas de Mary Vieira Knorr, de 53 anos, presa acusada de matá-las, morreram envenenadas. De acordo com cópias dos documentos obtidos, Giovanna e Paola Knorr Victorazzo, respectivamente, de 14 e 13 anos, deixaram de respirar após ingerirem remédios em setembro. O Instituto Médico Legal (IML) encontrou barbitúricos, que são compostos antiepilépticos, sedativos e hipnóticos, nos corpos. A quantidade não foi informada.

Exames químicos toxicológicos do sangue e vísceras das vítimas detectaram a presença de Fenobarbital e Midazolam, substâncias conhecidas com os nomes comerciais de Gardenal e Dormonid, respectivamente. Ainda de acordo com os laudos, em resumo, a causa das mortes das estudantes foi ?edema pulmonar? produzido por ?ação tóxica de barbitúricos? devido ao uso ?quanto à veneno?.

?O óbito foi casuado por insuficiência respiratória devido ao edema pulmonar que foi desencadeado pela depressão respiratória e congestão pulmonar pela ação de barbitúricos?, escreveu o médico legalista Ruggero Bernardo Felice Guidugli nos laudos de Giovanna e Paola, datados de 15 de outubro e que chegaram nesta sexta-feira (8) à Polícia Civil. À tarde os documentos deverão ser encaminhados para a Justiça.

Consultada para comentar o resultado dos laudos, a advogada criminalista especialista em perícias criminais, Roselle Soglio, afirmou que as adolescentes devem ter sofrido muito até morrerem.

"Os medicamentos fizeram com que elas tivessem sérias dificuldades para respirar até parar a respiração, quando devem ter ficado inconcientes", disse a perita Roselle Soglio. "Esse edema citado no laudo é o derrramento de sangue dentro do pulmão. Deve ter sido uma morte agonizante. Se elas tivessem sido socorridas em tempo, poderiam estar vivas, mas com certezas teriam sequelas no cérebro porque esses remédios mexem com o sistema nervoso central. Quando combinados é um problema. O Gardenal dá sono e o Dormonid é o conhecido "boa noite Cinderela"".

Segundo o site do Instituto de Psicobiologia da Unifesp, ?Os barbitúricos (ou derivados do ácido barbitúrico) foram por muito tempo, a droga de escolha para o tratamento da insônia. O declínio de seu uso deu-se por vários motivos como: mortes por ingestão acidental, o uso em homicídios e suicídios, e principalmente pelo aparecimento de novas drogas como os benzodiazepínicos. Hoje em dia, os barbitúricos ainda são utilizados no tratamento de distúrbios convulsivos e na indução da anestesia geral.? (leia mais abaixo informações sobre barbitúricos, Fenobarbital e Midazolan).

Fonte: G1