Maltratada por cuidadora, idosa de 72 anos é achada sem os 2 olhos e com alfinete no pulmão

Maltratada por cuidadora, idosa de 72 anos é achada sem os 2 olhos e com alfinete no pulmão

Polícia investiga se mutilação foi devido a doença ou maus-tratos.

Uma idosa de 72 anos foi encontrada em situação de maus-tratos na casa de sua cuidadora, em Banco do Pedro, distrito pertencente à cidade de Ilhéus, no sul da Bahia. De acordo com a delegada Andrea Oliveira, titular da Delegacia de Homicídios (DH) de Ilhéus, a idosa estava em um quarto nos fundos da casa da cuidadora, que tem 62 anos, e apresentava sinais de agressões.

A polícia informou que a vítima está sem os dois olhos, com os dedos dos pés mutilados e foi encontrada em um local sujo e sem comida. A polícia vai apurar se as mutilações nos olhos e nos pés da idosa foram provocadas por agressões feitas pela cuidadora.

"A casa da cuidadora estava em excelentes condições de higiene e tinham muitos alimentos. A senhora ficava no quartinho que estava com as paredes sujas de fezes, ela [idosa] suja de fezes e ela disse que só comia pão. São duas realidades, uma da casa e outra do quartinho. Ela [cuidadora] deveria, no mínimo, manter o local limpo e a senhora medicada e alimentada", disse a delegada.

A vítima foi retirada do local na manhã da terça-feira (23) por uma equipe da Polícia Civil e do Centro de Referência e Assistência Social (Creas), após o caso ter sido denunciado ao Ministério Público por uma amiga da idosa que foi visitá-la. A delegada Andrea Oliveira informou que instaurou inquérito de maus-tratos ao idoso e que a cuidadora assinou um termo circunstanciado, porque a legislação não permite prisão em flagrante nesses casos. Segundo a titular da DH, a vítima tem um alfinete no pulmão e isso também será investigado.

A delegada disse ainda que, em depoimento, a cuidadora alegou que a idosa era alcoólatra há um tempo e que teria perdido os olhos em uma briga de bar. Sobre os pés mutilados, a suspeita teria dito que a vítima caiu e chegou a ser medicada em um hospital da região, o que foi constatado pela polícia.

"Foi solicitado um guia para exame médico para contestação de integridade física, que pode apontar se houve ou não mutilação. Sobre o alfinte no pulmão, será apurado se foi introduzido na vítima de forma proposital ou acidental. Vai ser investigado também se a cuidadora tinha algum envolvimento com magia negra", afirmou Andrea Oliveira.

Socorro

De acordo com a coordenadora do Creas, Margareth de Souza Santana, a idosa se mostrou bastante agressiva ao perceber a chegada do resgate. "Aparentemente, os olhos dela foram arrancados, alguns dedos dos pés foram também amputados e ela se mostrou bastante agressiva no atendimento porque, a princípio, ela imaginava que a equipe iria também arrancar os dedos das mãos", afirmou.

Segundo a delegada, a suspeita e o companheiro dela foram liberados após serem ouvidos. A suspeita disse que cuidava da idosa e que ela mesma se sujava. Segundo a polícia, o casal negou as acusações de maus-tratos e disse que acolheu a idosa em casa depois de encontrá-la sozinha e embriagada na rua.

A polícia investiga ainda se as mutilações foram por causa de alguma agressão ou doença ou se foram tortura. Se for comprovado que as mutilações foram criminosas, os acusados podem responder por lesões corporais gravíssimas, com pena de até 10 anos de prisão por se tratar de uma idosa.

Internamento

A vítima foi levada para o Hospital Regional de Ilhéus, onde permanece internada. A delegada informou que ela está em estado de confusão mental e que a polícia vai aguardar melhora do quadro físico e nutricional da vítima para ouví-la.

A dona de casa Maria Santos, amiga que descobriu a situação da idosa, está com ela no hospital e diz que a senhora está muito assustada. "Tudo que você vai, vai dar um banho, ela fala "Vai cortar minha mão, vai cortar minha orelha, vai cortar meu cabelo, vai tirar meu sangue". Então tudo que você quer fazer o bem, ela não aceita, acha que todo mundo vai fazer o mal", diz a acompanhante.

Uma filha da vítima foi localizada em São Paulo e segue para Ilhéus, segundo informou a delegada Andrea Oliveira.

Fonte: G1