Marido de fisioculturista morta em UTI mentiu em depoimento, diz delegado

O marido teria negado que os dois haviam brigado.

A investigação da morte da fisioculturista paulista Fabiana Caggiano Paes, 36 anos, que morreu na última quarta-feira (2) em Natal, dentro de uma UTI de hospital, ganhou novos elementos. De acordo com o delegado Frank Albuquerque, designado especialmente para o caso, o marido da vítima, Alexandre Furtado Paes, mentiu em depoimentos prestados à polícia. "Ele afirmou, nas duas vezes que eu o interroguei, que Fabiana tinha desmaiado enquanto tomava banho. E isso não é verdade. Cinco testemunhas foram ouvidas, entre funcionários do hotel e socorristas do Samu, e todas afirmam que o banheiro do quarto estava seco. Não havia uma gota d"água no chão e nem no corpo da mulher", revelou o delegado.


Marido de fisioculturista morta em UTI mentiu em depoimento, diz delegado

Ainda de acordo com o delegado, o marido da fisioculturista também não disse a verdade sobre a convivência do casal. Sobre o relacionamento com Fabiana, também em depoimento, Alexandre contou ao delegado que eles não tinham brigado enquanto estiveram na capital potiguar, muito menos na manhã do dia 27, quando a paulista teria desmaiado no banheiro. "Temos o testemunho de hóspedes que ouviram eles brigarem. Uma testemunha ouviu gritos que vinham do quarto em que eles estavam. Depois esta pessoa também ouviu o Alexandre tentar reanimar a Fabiana. Em seguida, após um período de silêncio, esta testemunha também ouviu quando o box do banheiro foi quebrado", acrescentou o delegado.

Contudo, o que chama ainda mais atenção quanto à possibilidade de o marido de Fabiana estar mentido, é o fato dele também ter dito que não possuía nenhuma amante. Porém, o delegado disse que a mãe de Fabiana admitiu ter visto no celular do genro várias mensagens amorosas de uma suposta amante, uma advogada que reside em Osasco. Nas mensagens, segundo o delegado, a mulher chegou a alertar Alexandre quanto valor da tarifa telefônica, para que ele não fizesse muito uso do telefone celular para não encarecer a conta, além de vários textos amorosos - cujos conteúdos não foram divulgados. "Já entrei em contato com a delegacia de Osasco e vamos ouvir a advogada por precatório", confirmou Frank Albuquerque.

"Depois que ouvi as testemunhas, procurei Alexandre antes que ele embarcasse para São Paulo. Fui ao hotel e colhi novo depoimento dele. E mais uma vez ele disse que a mulher teria caído no box do banheiro e quando foi socorrê-la o chuveiro estava ligado", reafirmou Frank.

Fonte: G1