Mato alto facilita ações de bandidos na zona Sul de THE

Segundo os moradores, já foi pedida às autoridades uma solução para o problema, mas nada ainda foi feito

A falta de iluminação e a grande quantidade de mato que toma conta do parque ambiental, na entrada do bairro Bela Vista I, têm preocupado a população que mora nas proximidades do local. Segundo os moradores, já foi pedida às autoridades uma solução para o problema, mas nada ainda foi feito. Com isso, eles reclamam da sensação de insegurança.

A moradora da quadra 4, que fica em frente ao local, Ana Cecília Moraes, conta que não se sente mais tranquila dentro da sua casa, pois o mato no parque está muito grande e se transformou em um esconderijo para assaltantes.

A situação piora quando chega a noite. "Fica tudo muito escuro e temos medo até de chegar em casa um pouco mais tarde, pois é muito fácil sermos abordados na porta das nossas casas", reclamou.

Os moradores já tentaram, inclusive, resolver o problema, colocando lâmpadas no local, para deixar o espaço mais claro, mas a atitude foi proibida pela Eletrobras.

"Tentamos resolver do nosso jeito, mas não deu certo. Fizemos isso porque não aguentamos mais essa sensação de insegurança. Estamos ficando presos dentro das nossas casas, por medo de sair", disse o morador do bairro, Ariosto Setúbal.

O presidente da Associação de Moradores do bairro, Júlio César Moraes, afirmou que o bairro Bela Vista não é prioridade no Orçamento Popular de Teresina, mas contesta o fato de que ações simples, como a iluminação de espaços públicos, não sejam realizadas.

"O bairro Bela Vista é tido pelas autoridades como uma parte de Teresina que não tem grandes problemas, mas pelo menos a iluminação pública e a capina dos locais onde é necessário deve ser feito", afirmou.

Júlio César argumentou ainda que o local é tido como parque ambiental e por isso merece ainda mais atenção das autoridades. "Espaços como esse têm que ter uma estrutura mínima e a iluminação é o básico, além da limpeza que também tem deixado a desejar e nos deixa à mercê de doenças como a dengue", pontuou.

Fonte: Pollyana Carvalho