Menino morre ao ser esquecido em quarto por pais que usavam drogas

As informações são do jornal “The New York Daily News”.

Um menino de apenas dois anos morreu após ser esquecido dentro do próprio quarto pelos pais. O caso aconteceu na última sexta-feira, no Condado de Saint Charles, no Missouri, nos Estados Unidos. De acordo com as autoridades americanas, Braydon Barnes sofreu uma hipertermia - quando há uma elevação excessiva da temperatura corporal -, pois foi deixado pelos pais, Lucas Russell Barnes, de 25 anos, e Kathleen Peacock, de 22, trancado no cômodo por cerca de 38 horas. Os jovens deixaram o pequeno no local para que pudessem sair e consumir drogas. As informações são do jornal “The New York Daily News”.

Ainda de acordo com a publicação americana, a polícia diz que os pais da vítima ligaram o aquecedor do quarto, puseram o filho no quarto e saíram de casa, na sexta-feira. Ninguém foi ver o menino até a manhã de domingo, quando ele já foi encontrado sem vida no quarto. Os paramédicos foram chamados ao local, mas o pequeno já estava morto há algumas horas. O resultado da autópsia revelou que a causa da morte foi hipertermia, possivelmente provocada pela alta temperatura no quarto.

Aos investigadores do caso, a mãe, que está grávida, revelou que ela e o pai não foram ver o menino no quarto durante o fim de semana porque estavam drogados. Tanto ela quanto o companheiro estão presos. Ainda não há data para o funeral de Braydon.



Menino morre ao ser esquecido em quarto por pais que usavam drogas (Crédito: Reprodução)
Menino morre ao ser esquecido em quarto por pais que usavam drogas (Crédito: Reprodução)
Menino morre ao ser esquecido em quarto por pais que usavam drogas (Crédito: Reprodução)
Menino morre ao ser esquecido em quarto por pais que usavam drogas (Crédito: Reprodução)
Menino morre ao ser esquecido em quarto por pais que usavam drogas (Crédito: Reprodução)
Menino morre ao ser esquecido em quarto por pais que usavam drogas (Crédito: Reprodução)

Image title

Image title

Image title

Fonte: Com informações do Extra