Menor é apreendido pela 18ª vez e aconselha procurar Deus

Adolescente estava com uma arma de fabricação chinesa.

Um adolescente, de 16 anos, que já foi apreendido 17 vezes por envolvimento com tráfico de drogas e porte ilegal de arma segundo a polícia, foi mais uma vez flagrado na noite desta segunda-feira (24), em um trecho da BR-262, em Viana, região Metropolitana do Espírito Santo. De acordo com a polícia, o menor foi apreendido com uma arma de fabricação chinesa, após denúncias anônimas. Um homem, de 28 anos, também foi preso. O menor foi levado para a Unidade de Internação Provisória (Unip) II, em Cariacica, e o homem foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana (CTV), autuado como fornecedor de armas e pode pegar de três a seis anos de prisão.


Menor é apreendido pela 18ª vez e aconselha procurar Deus

De acordo com o titular do Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Cariacica, Peterson Santos, o adolescente acionou um táxi em Cariacica e foi até um bairro de Vitória com o adulto, para comprar a arma. Depois disso, os dois seguiram no táxi até Viana, onde compram a pistola, mas na volta foram abordados por militares próximo ao posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Segundo Peterson, a pistola foi comprada por R$5.600 e seria utilizada pelo menor, para abastecer o tráfico de drogas, no Bairro da Penha, em Vitória. Para a polícia, a quantidade de vezes que o menor foi apreendido surpreende a equipe. "Ele tem mais passagens do que anos de vida. Com certeza, vai ficar apreendido e responder pelo crime de porte ilegal de arma", explicou o delegado.

O homem detido, flagrado com o menor, nega a participação na compra da arma e o adolescente diz que está arrependido. "Fui preso pela primeira vez aos 12 anos e me arrependo dos crimes. Para quem está neste mundo, aconselho sair dessa vida e procurar à Deus", disse o adolescente.

A polícia também informou que durante o percurso dos suspeitos, dentro do táxi, eles foram escoltados por dois homens em uma motocicleta, que não foram localizados após a detenção.. Quanto ao taxista, o delegado contou que, por falta de provas, foi liberado.

Fonte: G1