Menores acusados de matar comparsa dentro do CEM são julgados

A sentença que será dada está relacionada somente ao assassinato

Atualizado às 13h15

Menores são julgados com pena máxima 

A defensora pública Aline Patrício, disse como ocorreu a aplicação de medidas no julgamento dos menores. 

“Foi aplicada a pena máxima, por ser um crime de homicídio, onde os menores foram réus confessos”, disse a defensora pública Aline Patrício. 

Os familiares estiveram presentes e não haverá recurso aplicado no julgamento. O modo como eles cometeram o homicídio foi um agravante para a sentença. 

“A sentença foi tão justa que a defesa não irá recorrer”, disse o juiz responsável pelo caos. 

 O Promotor de Justiça, Maurício Verdejo, afirmou que os adolescentes cumprirão a medida de internação máxima. 

“Esses jovens já cometeram pequenos delitos e muitos aspectos foram avaliados com a condenação máxima, sem recurso e eles começam a cumprir deste então”, disse Maurício Verdejo. 


Image title

Image title

Herbert Neves, ex-gerente de internação do Centro Educacional Masculino, na época em que houve o assassinato, também participou do julgamento como testemunha de acusação e reiterou tudo o que relatou quando ocorreu o crime.

"Eles assumiram que mataram o Gleison com requintes de crueldade e o crime não poderia ser evitado, ja que foram os próprios menores que arquiteram tudo. Eles  chegaram a dizer que não iam fazer nada um contra o outro. A decisão de ficarem todos em apenas uma cela, também partiu dos adolescentes", declarou.

Participaram também o ex-diretor educacional de atendimento socioeducativo da Sasc, Anderlly Lopes e o ex-coordenador do CEM, Marivaldo Viana. Ambos foram afastados da função desde a morte de Gleison e e respondem a processo administrativo na Sasc.

Durante o julgamento, Marivaldo Viana, afirmou que a morte não poderia ser evitada. "Tomamos todo o cuidado possível. Se  separássemos eles, os quatro poderiam morrer", disse Marivaldo,

O ex-coordenador também decalrou que tem consciência tranquila acerca da morte de Gleison e criticou a falta de estrutura do Centro. "As vezes eu tinha que cumprir o plantão de 12 horas porque o número de educadores era insuficiente", completou.

Os adolescentes estão internados no Centro de Internação Provisória (CIP), no bairro Dirceu, zona Sudeste de Teresina.     

Image title

Menores acusados de matar comparsa dentro do CEM são julgados

Começou desde as 09h30, da manhã desta segunda-feira (21), na Secreatria da Assistência Social e Cidadania -SASC, Complexo de Defesa da Cidadania, o julgamento dos três menores suspeitos de estarem envolvidos na morte de Gleison Vieira da Silva, 17 anos, dentro de uma das celas do Centro Educacional Masculino (CEM), em Teresina.

Eles estão sendo ouvidos pelo juiz da 2ª Vara da Infância e da Juventude, Antonio Lopes, participam do julgamento a Promotoria de Justiça e Defensoria Pública.

Outras testemunhas como educadores do CEM de Teresina, policiais militares, familiares e os menores que estavam na cela ao lado também estão sendo ouvidos.

O juiz enfatizou que a sentença que será dada está relacionada somente ao assassinato de Gleison Vieira da Silva ocorrido dentro do CEM, no dia 16 de julho de 2015. O julgamento não tem ligação com o crime de estupro coletivo de Castelo do Piauí onde 4 adolescentes foram agredidas e estupradas.

As primeiras testemunhas foram ouvidas na última quinta-feira (17), em que  10 pessoas, além das mães dos adolescentes que também são acusados de participar do estupro coletivo em Castelo do Piauí junto com Gleison Vieira da Silva.

O julgamento foi adiado devido os defensores públicos do caso terem pedido para que fossem ouvidas mais duas testemunhas, mas deve ser concluído ate o final do dia.

FLASH DA REPÓRTER IZABELLA PIMENTEL

Image title

Image title

Image title

Image title

Fonte: Portal Meio Norte