Morre bebê de 9 meses agredido; ex da mãe é suspeito

A criança chegou ao hospital com parada cardiorrespiratória e inconsciente

A menina de 9 meses - suspeita de ter sido espancada pelo ex-namorado da mãe, no último sábado (5) ? não resistiu aos ferimentos e morreu às 17h40 desta segunda-feira (7). A informação foi confirmada pela Secretaria estadual de Saúde. Ela estava internada em estado gravíssimo no Hospital Getúlio Vargas, na Penha, Zona Norte do Rio.

Na noite de sábado, médicos chegaram a dizer a policiais que estiveram no hospital que já havia sido constatada a morte cerebral do bebê. A criança chegou ao hospital com parada cardiorrespiratória e inconsciente. O bebê foi ressuscitado e levado para o CTI. Exames mostraram que a menina sofreu fratura de clavícula, hematomas e hemorragia cerebral.

Ex-namorado da mãe é suspeito

O jovem de 19 anos, que é ex-namorado da mãe, foi detido por suspeita de agressão. A mãe, que fez a denúncia, acredita que ele tenha agido em vingança pelo fim do relacionamento. Ela contou que no sábado, antes de sair para o trabalho, deixou a filha de 9 meses na casa dele, porque não tinha babá. Os dois estariam terminando um relacionamento, mas segundo ela, o rapaz era de confiança.

Pouco tempo depois ela recebeu um telefonema avisando que a filha estava internada. A primeira constatação dos médicos era de que a menina havia sofrido uma broncoaspiracão, depois de ingerir uma mamadeira e o líquido ter ido parar no pulmão. A menina teve uma parada cardiorrespiratória e entrou em coma.

Mas, no dia seguinte à internação, outros exames foram feitos porque ela não reagia a alguns estímulos. Os laudos revelaram que a criança estava com a clavícula quebrada e tinha vários sinais internos de espancamento em toda a cabeça.

O ex-namorado da mãe foi chamado pela polícia para dar esclarecimentos. Ele disse apenas que a menina havia caído de um colchonete.

?Não há a menor possibilidade de esta lesão ter sido provocada por uma simples queda. A própria médica que atendeu a criança acha que isso não era possível. A criança chorava muito?, disse o delegado Leandro Gontijo Alves.

O rapaz então foi preso por tentativa de homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, com grau de crueldade e sem chances de defesa para a vítima. Segundo a polícia ele tinha uma convivência rotineira com outras crianças. Ele morava num quarto de uma casa onde funciona uma creche no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, no subúrbio do Rio.

Fonte: g1, www.g1.com.br