Morte de universitária ainda está mal explicada, diz polícia

Morte de universitária ainda está mal explicada, diz polícia

Segundo polícia, versão de ex-marido suspeito de crime não é aceitável.

O real motivo que levou a morte da universitária e promotora de eventos, Lore Santana Vaz, ainda está mal explicado, de acordo com a Polícia Civil. A jovem foi encontrada degolada, na quinta-feira (13), dentro do próprio carro, em uma rua a 3 km de distância do local onde morava, em Santo André, no ABC paulista.

Na quinta-feira (21), o ex-marido da jovem, Allan dos Santos Peçanha, foi preso e depois confessou participação no crime. Ele afirmou que queria dar um susto e não pretendia matar a ex-mulher. Mas para a polícia, ele tinha a intenção de matar a jovem.

Os executores da morte, segundo as investigações, seriam Robert Pirovani Gama e Raimundo Nonato. A dupla teria agido a mando do ex-marido.

Lore cobrava do ex-companheiro uma dívida. Para a polícia, este foi o motivo do crime. Pressionado, Peçanha teria planejado o assassinato, contratado os dois homens e pagado um pouco mais de R$ 1.000 para que a estudante fosse morta.

Ainda de acordo com a polícia, falta também definir a autoria do crime, já que nem Robert e nem Raimundo assumem quem foi o autor da morte. A polícia ainda aguarda os resultados de laudos necroscópico e da perícia feita no local, que devem confirmar e trazer detalhes sobre o crime.

O inquérito deve ficar pronto em 30 dias, já que para a polícia, o crime está praticamente resolvido.

Frieza

De acordo com Vinícius Teixeira, que namorava Lore havia um ano, o ex-marido da jovem consolou a família dela no dia da morte. Peçanha teria cumprimentado o irmão da universitária e a cunhada, chorando, como se não soubesse de nada.

Vinícius contou que aconselhou a namorada a não cobrar mais a dívida do ex-marido. A mesma recomendação foi dada por Vandete Vaz, mãe de Lore. Ela temia que o ex-genro agredisse a estudante.

Fonte: R7, www.r7.com