MP do Rio de Janeiro denuncia Thor Batista por homicídio culposo pela morte de ciclista

MP do Rio de Janeiro denuncia Thor Batista por homicídio culposo pela morte de ciclista

Thor foi denunciado pela morte do ciclista Wanderson Pereira dos Santos, de 30 anos.

O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. As informações foram confirmadas pela assessoria do Ministério Público no fim da tarde desta quarta-feira (16). A Promotoria também pediu à Justiça a imediata suspensão do direito de dirigir de Thor.

Thor foi denunciado pela morte do ciclista Wanderson Pereira dos Santos, de 30 anos. A denúncia, do Promotor de Justiça Marcus Edoardo de Sá Earp Siqueira, da 6ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal de Duque de Caxias, foi distribuída para o Juízo da 2ª Vara Criminal.

Na segunda-feira (14), o delegado Mário Roberto Arruda, da 61ª DP (Xerém), entregou ao Ministério Público do Rio o relatório com o inquérito que indiciou o empresário Thor Batista por homicídio culposo.

Thor foi indiciado depois que a perícia constatou que ele dirigia de maneira imprudente, a 135 km/h, no momento do acidente. Segundo o delegado, o empresário foi enquadrado por homicídio culposo previsto na Lei de Trânsito, com pena prevista de dois a quatro anos de prisão.

O atropelamento aconteceu a Rodovia Washington Luís, na altura de Xerém, na Baixada Fluminense, e a força do impacto foi tão grande que o corpo de Wanderson Pereira dos Santos, de 30 ano, foi arremessado a 65 metros de distância.

Os advogados Márcio Thomaz Bastos e Celso Vilardi, que defendem Thor, contestam o laudo da perícia. A defesa disse, na segunda, que é impossível compreender como os peritos chegaram à velocidade de 135 km/h.

Laudo foi decisivo

Para o delegado responsável pelas investigações do caso, Mário Roberto Arruda, da 61ª DP (Xerém), o laudo pericial sobre a velocidade de Thor no momento do acidente foi decisivo para o indiciamento. De acordo com o documento, o estudante estava 25 km/h acima do limite permitido na rodovia, que é de 110 km/h.

De acordo com o depoimento de testemunhas, pouco antes do acidente, Thor Batista dirigia em zigue-zague. Ele ultrapassou um ônibus e um carro pela direita, o que é proibido. Em seguida, segundo a investigação, voltou para a pista da esquerda e logo depois houve o choque com o ciclista.

Thor e ciclista culpados

Para o delegado, Thor e o ciclista foram responsáveis pelo acidente, já que a vítima tinha ingerido bebida alcoólica e atravessava de maneira perigosa a rodovia.

?Seria o que nós chamamos de culpa concorrente. Os dois contribuíram para o evento?, explicou o delegado.

No dia 10 de maio, pelo Twitter, Thor Batista comparou o acidente em que ele se envolveu com a morte de outro ciclista, atropelado por uma motorista, no Espírito Santo.

Thor escreveu na rede social: "ela estava bebada (eu fiz bafometro deu 0,0 tenho o comprovante), ela nao tem CNH (a minha continua valida ate o dia em que O DETRAN INSTAURAR UM PROCESSO E SUSPENDER A CARTEIRA (isso ainda nao ocorreu). Ela tentou fugir ( eu prestei socorro)."

Fonte: G1