Mulher acusada de matar marido piloto nos EUA é presa em Brasília

Ela está presa provisoriamente na Superintendência Regional

A brasileira nata Cláudia Cristina Sobral, ou Cláudia Hoerig, foi presa na última quarta-feira (20) em Brasília, 9 anos após ser acusada de matar o marido, o piloto americano da Força Aérea Karl Hoerig, em Ohio, nos Estados Unidos.

Cláudia voltou ao Brasil dias antes das autoridades norte-americanas encontrarem o homem morto na casa onde o casal morava. De acordo com a Polícia Federal, ela está presa provisoriamente na Superintendência Regional do Distrito Federal aguardando o processo de extradição para os EUA.

Em entrevista, o advogado de Cláudia, Antônio Andrade Lopes, informou que espera que o Supremo Tribunal Federal aceite o pedido de habeas corpus, já em tramitação, para que ela possa esperar pelo julgamento do pedido de extradição em liberdade.

Cláudia Hoerig é acusada de matar marido nos EUA (Crédito: Arquivo Pessoal )
Cláudia Hoerig é acusada de matar marido nos EUA (Crédito: Arquivo Pessoal )


Na última semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou um pedido da defesa de Cláudia para anular a decisão do Ministério da Justiça decretando a perda da cidadania brasileira por ela ter adquirido outra nacionalidade.

Cláudia tentava um mandado de segurança para revogar o ato do Ministério da Justiça. No entanto, o Ministério Público sustentou que, ao receber a nacionalidade norte-americana, Cláudia perdeu a nacionalidade brasileira.

A decisão diz ainda que “a tentativa de resgatar a nacionalidade é um ato de má-fé e tem por objetivo evitar o processo criminal”.

Desde 2007 o governo americano requer a extradição da acusada para que ela responda ao processo criminal pelas leis americanas.A partir de agora, Cláudia é uma cidadã norte-americana acusada de homicídio e que está no Brasil.

Segundo a defesa de Cláudia, ela chegou a morar em Lumiar, distrito de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio.Com a prisão dela, o governo americano tem o prazo de 60 dias para fazer o pedido de extradição a partir da comunicação feita pelo Ministério da Justiça, por meio do Ministério de Relações Exteriores. Cabe ao STF julgar o pedido de extradição.

Por telefone, a Embaixada Americana informou que não se pronunciará sobre o assunto. No entanto, no site oficial do congressista norte-americano Tim Ryan, ele diz que recebeu uma ligação da Embaixada dos EUA no Brasil informando a prisão de Cláudia e dizendo que ela está em custódia no país.

'NINGUÉM QUER VER UM ASSASSINO VIVENDO LIVRE', DIZ IRMÃO DA VÍTIMA

Em entrevista, o irmão da vítima, Paul Hoerig, afirmou que a extradição de Cláudia será um grande passo para ambos os países, e principalmente para a família e amigos, que buscam justiça pela morte de Karl. Ele diz que nunca ficou claro porque esse processo demorou tanto tempo, já que Cláudia renunciou da cidadania brasileira e se naturalizou americana em 1999.

“Todos nós queremos justiça e acreditamos que ninguém quer um assassino vivendo livre. Esta é uma vitória para os cidadãos honestos do Brasil e dos EUA. Espero que nenhuma família tenha que passar por isso. Karl era um homem bom, com uma vida promissora pela frente. Ele merece justiça”, declarou Paul.

Nas redes sociais, membros de um grupo intitulado “Justice for Karl Hoerig” (Justiça por Karl Hoerig) comemoram a prisão de Cláudia. A administradora do grupo, Laura Kahler Orazi, amiga da vítima, explica que o grupo foi criado com o intuito de chamar atenção para o caso.

"Cláudia ficou livre no Brasil por muitos anos. A família não teve justiça pelo assassinato de Karl. Agora ela é uma cidadã americana e precisa voltar aos EUA para ser julgada. Estamos todos esperando que a justiça finalmente seja feita", afirmou.

DEFESA

Segundo o advogado de Cláudia, Antônio Andrade Lopes, a defesa entende que Cláudia tem dupla nacionalidade, uma situação comum."O Ministério da Justiça tirou a nacionalidade dela depois de um juramento feito diante da bandeira americana em um ato solene. Sem isso a pessoa não consegue emprego nos EUA. Só depois que ela se casou com o piloto.

Com o juramento, foi o Ministério da Justiça que desconsiderou sua nacionalidade. Mas a defesa esperava que o Supremo a tratasse como uma cidadã brasileira, pois é um caso muito sério, que envolve a vida de uma brasileira. Tanto que a decisão não foi unânime, dois entenderam a situação", explicou Lopes.

Quanto ao crime, o advogado disse que foi em legítima defesa."Todos sabiam que ela era vítima de maus-tratos. A família toda sabia disso. Agora a gente espera que o pedido de habeas corpus seja aceito para que ela possa esperar pela finalização do processo de extradição em liberdade", finalizou Lopes, complementando que Cláudia está casada no Brasil, mas sem filhos.

ENTENDA O CASO

Cláudia Hoerig é apontada pelas autoridades americanas como a responsável pela morte do marido. O crime foi cometido em 12 de março de 2007, em Newton Falls. Investigações americanas dão conta de que, antes do homicídio, Claudia comprou uma pistola e realizou treinos de tiros em uma academia próxima de casa. Ela também teria transferido o dinheiro do marido para sua conta.

Ainda em 2007, Cláudia foi denunciada perante o júri do condado de Trumbull, após acusação da Promotoria local.

Pela Constituição Brasileira, a vinda de Cláudia para o Brasil significaria que ela não poderia ser extraditada. No entanto, em 2013, o Ministério da Justiça decretou a perda da nacionalidade da suspeita, usando como base o fato dela ter aberto mão da nacionalidade brasileira quando jurou, voluntariamente, fidelidade aos EUA, em 28 de setembro de 1999.

Desta forma, os EUA pediram ao STF que Cláudia fosse extraditada, mas o pedido foi anulado pela Corte Suprema porque o mandado de segurança contra a anulação da cidadania brasileira ainda não havia sido julgado. Com a decisão em definitivo desta semana, Cláudia deverá ser extraditada. Se condenada, poderá pegar pena de prisão perpétua ou pena de morte por injeção letal, conforme a legislação de Ohio, onde o crime ocorreu.

Karl Hoerig, em foto cedida pelo irmão  (Crédito: Arquivo Pessoal )
Karl Hoerig, em foto cedida pelo irmão (Crédito: Arquivo Pessoal )


Fonte: G1