Mulher morta em favela no litoral de SP fugia da violência em MS, diz irmã

Irmã conta que vítima foi assaltada 11 vezes em Campo Grande. Elza Gomes dos Santos era economista e procurava imóveis em SP.

A professora Evanir Gomes, irmã da mulher assassinada em uma favela de São Vicente (SP), contou ao G1 neste sábado (1º) que Elza Gomes dos Santos, 52 anos, queria mudar-se de Campo Grande para fugir da violência. Elza, que era economista, havia sido assaltada 11 vezes na cidade e estava à procura de imóveis no litoral paulista.

Evanir contou que viu Elza pela última vez na quarta-feira (29), antes de a economista viajar com destino a São Paulo. A irmã conta que o último pedido feito a Evanir foi para que ela evitasse dirigir durante a noite. ?Eu pedi porque é perigoso, e pelo jeito estava cumprindo?, contou Evanir, referindo-se ao horário em que a irmã foi morta. Sobre a possibilidade de Elza ter se perdido, a irmã diz não acreditar na hipótese. ?Nós moramos cinco anos em São Paulo capital, sempre íamos para a praia e ela sabia o caminho. É muito difícil ter se perdido?, disse.

Ainda segundo a irmã, a vítima estava desesperada para deixar a cidade, mas nunca disse se tinha alguma inimigo. ?A única coisa que eu espero é que sejam tomadas as providências, que haja transparência na investigação e que tenhamos um atendimento de qualidade?. Outro irmão da vítima e um primo foram a São Vicente para fazer o traslado do corpo. O enterro está previsto para segunda-feira (3) no cemitério Santo Amaro, em Campo Grande.

Caso

Elza Gomes dos Santos seguia de Campo Grande para morar no litoral de São Paulo e foi assassinada com um tiro na cabeça depois de se perder em uma região de favela na cidade de São Vicente. A vítima estava tentando chegar à praia quando foi surpreendida por criminosos.

Segundo informações da Polícia Militar, a mulher tinha como destino a região da praia, mas acabou chegando à Vila Margarida por causa de uma falha no sistema de localização do carro. Ainda de acordo com a PM, os criminosos abordaram a vítima que tentou fugir, mas foi atingida por um tiro na cabeça. Elza morreu assim que chegou ao hospital.

A mulher percorreu mais de 1 mil quilômetros para chegar até o litoral de São Paulo, e estava com o carro cheio de malas, roupas e outros objetos. Ainda de acordo com informações da PM, tudo indica que os criminosos se assustaram e não tiveram tempo de levar muita coisa. No carro, ficaram objetos de valor como a máquina fotográfica.

Os criminosos fugiram deixando uma bicicleta ao lado do automóvel da vítima. A polícia ainda está atrás de pistas que possam levar aos autores do crime. O corpo de Elza foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Santos.

Fonte: G1