‘Não tenho talento para ser bandida’, diz prostituta acusada de assaltos

A garota de programa Sara Raquel Rios Pinho, de 32 anos, foi presa, acusada de integrar uma quadrilha que roubava e furtava turistas

A Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat) prendeu, na madrugada desta sexta-feira, a garota de programa Sara Raquel Rios Pinheiro, a Morena, de 32 anos. Com um mandado de prisão preventiva pelo crime de roubo, Morena é acusada de integrar uma quadrilha formada por travestis e garotas de programa responsável por assaltos a turistas em Copacabana. Ela possuía antecedentes criminais por furtos, lesão corporal e porte de drogas.


?Não tenho talento para ser bandida?, diz garota de programa acusada de assaltos

- Tem dois travestis que assaltam gringo. Disseram que eu estava no meio, mas isso não é verdade. Não tenho talento para roubar. Não tenho talento para ser bandida. Trabalho na pista. Sou garota de programa - disse.

Morena disse que chegou a fazer programas com travestis. Mas decidiu atuar sozinha por causa de alguns desentendimentos.

- Travesti tem recalque de mulher.

Morena ainda guarda lembranças dos 28 dias passados no presídio de Bangu, após ser presa por furto, há dois anos. E se emociona ao lembrar dos dois filhos, um menino de 13 anos e uma menina de 11, que moram com ela, em São João do Meriti, na Baixada.

Há dois meses, após furtos e roubos a turistas que procuravam garotas de programas e travestis em Copacabana, a Deat começou a investigar a existência de uma quadrilha.

- Em alguns casos, três ou quatro garotas de programa ou travestis começavam a se esfregar no turista. Às vezes, ele só percebia que estava sem a carteira ou o celular depois. Em outros, as garotas de programa reagiam, mostrando canivete - disse o delegado Rodrigo Brand, da Deat.

Além de Morena, outros dois travestis que cometem esses delitos foram identificados pela polícia. Um deles, inclusive, chegou a cometer delitos em São Paulo e na Região dos Lagos.

Fonte: Extra