Neta suspeita de trancar avó sem comida no carnaval é presa

Companheira da jovem também foi presa, após prestar depoimento.

A neta da aposentada Judith Hosken de Souza, 79 anos, encontrada trancada dentro de casa, sozinha e sem comida, foi presa na tarde desta sexta-feira (15), junto com a companheira. Thaynine Hosken Souza, de 21 anos, e a companheira Jheniffer de Alcântara, de 18 anos, confirmaram para a polícia que deixaram a idosa presa e que recebiam a pensão dela. Elas foram levadas para o Centro de Detenção Provisória (CDP) feminino de Viana e vão responder pelos crimes de cárcere privado, abandono material e maus tratos. Ao saírem da delegacia, as duas disseram que "não fizeram nada" e que "prenderam as pessoas erradas".

As duas se apresentaram à polícia no início da tarde desta sexta-feira e prestaram depoimento ao delegado Danilo Bahiense. A neta é suspeita de manter a idosa em cárcere por quatro dias. Dona Judith foi encontrada pela polícia presa dentro da própria casa, em Cobilândia, Vila Velha, nesta quarta-feira (13). Vizinhos acionaram a PM depois de escutarem os pedidos de socorro da aposentada. A senhora foi levada para um abrigo público. Testemunhas disseram que a suspeita voltou para casa, na quinta-feira (14), e fugiu com a companheira, levando roupas e um ventilador.

De acordo com o delegado Danilo Bahiense, Thaynine e Jheniffer passaram o carnaval no bairro Campo Grande, em Cariacica, na Grande Vitória. ?Não anunciamos para não atrapalhar as investigações, mas o lugar onde elas estavam ficou escoltado por nossos policiais. Elas confirmaram que deixaram a idosa trancada, que recebiam a pensão dela e que deixaram remédio para apenas quatro dias?, explicou Bahiense.

As duas saíram da Delegacia do Idoso, em Vitória, algemadas. ?Ninguém fez nada com ela, estão prendendo a pessoa errada?, se defendeu Jheniffer de Alcântara. Para a polícia, as suspeitas disseram que trancaram a idosa em casa porque ficaram com receio dela cair na rua e se machucar, mas isso não convenceu o delegado responsável pelo caso.

?Elas entram em contradição por diversas vezes e os fatos estão mais do que esclarecidos. A Jheniffer é uma pessoa muito alterada. Imagina ela dentro de casa com a senhora. Disse que a idosa é geniosa, brava por ter sangue italiano, que xingava as duas e que batia nas coisas. Ela contou que nunca agrediu a senhora e apenas a chamava de velha?, detalhou Bahiense.

De acordo com o delegado, as duas tiveram prisão temporária de cinco dias e na terça-feira (19), após depoimento de testemunhas, vai pedir a prorrogação da prisão.



Fonte: G1