No meio de julgamento, acusado de tentativa de homicidio passa mal e é atendido pelo SAMU

A acusação foi formulada pelo novo promotor da comarca de José de Freitas Dr. Sergio Reis, que pediu a condenação do réu.

Com a participação de quatro mulheres e três homens compondo o conselho de sentença, ocorreu na manhã de quarta-feira 15, uma sessão do tribunal popular do júri na sala das audiências do Fórum Juiz Alberto Veras na Comarca de José de Freitas. Onde configuraram como partes o então acusado, José Hilário da Rocha, o (Zito) 58 anos, e a vitima Raimundo Nonato Ribeiro 70 anos. Pesou sob Zito, a acusação de homicídio tentado, fato ocorrido ainda em 2005 na localidade Bacuri dos Craveiros, onde moravam vitima e acusado, onde tentou matar o ancião com uma arma de fogo, tipo cartucheira.

A acusação foi formulada pelo novo promotor da comarca de José de Freitas Dr. Sergio Reis, que pediu a condenação do réu. Já o advogado de defesa, Dr. Edivaldo da Silva Cunha alegou que o acusado há dias vinha sendo ameaçado de morte, e que este, apenas tentou defender sua própria vida.

Ao longo de cerca de três horas de julgamento, o acusado de tentativa de homicídio José Hilário da Rocha sentiu fortes dores no peito, segundo ele, sente problemas cardíacos, neste momento, o promotor de justiça Sergio Reis pediu para que os funcionários da justiça acionasse uma ambulância do SAMU, e para que o acusado fosse para a sala de espera aguardar a chegada da assistência médica.

Em seguida, os funcionários do SAMU adentraram ao Fórum e fizeram os primeiros procedimentos, no momento, detectaram que o acusado estava com a pressão elevada, o advogado de defesa Edivaldo da Silva Cunha pediu que o magistrado autorizasse o envio do acusado ao hospital Nossa Senhora do Livramento para exames mais aprofundados, e assim, o fez.

Depois de cinco horas de julgamento sob a presidência do Dr. Lirton Nogueira Santos, a sociedade representada pelo conselho de sentença absolveu o então réu José Hilário da Rocha que respondia o processo em liberdade.



Fonte: JF Agora