Números de estupros ainda são subnotificados no Piauí

Números de estupros ainda são subnotificados no Piauí

Números de estupros ainda são subnotificados no Piauí

Pelo menos 30 mulheres foram estupradas pelo vendedor João da Cruz Nascimento, preso na manhã de terça-feira em Teresina por receptação de carro roubado e identificado como estuprador por dezenas de mulheres.

O número de vítimas chama a atenção e continua crescendo na medida em que a imagem do agressor é divulgada na mídia.

O caso, no entanto, não é isolado. No primeiro semestre de 2014, 280 mulheres deram entrada no SAMVVIS – Serviço de Atendimento de Mulheres Vítimas de Violência Sexual, da Maternidade Dona Evangelina Rosa.

Os dados são alarmantes, porém subnotificados e a probabilidade é de que o número de vítimas seja bem maior.

Isso acontece porque além de muitas mulheres terem vergonha de denunciar o abuso sexual, não existe um sistema integrado de informação entre as delegacias e órgãos públicos do Estado.

As vítimas de estupros não têm perfil específico. Dentre as vítimas do suposto estuprador, estavam jovens, mulheres maduras e até mesmo uma idosa.

Uma mulher na zona Norte, que prefere não ser identificada, chegou a ser abordada pelo acusado, mas conseguiu fugir. Ela conta que ele a abordou em cima de uma moto e anunciou assalto.

O inusitado é que ele pediu um beijo para a vítima, com o intuito de disfarçar. Após a abordagem, ele determinou que a vítima seguisse no carro, enquanto ele a seguia. “Foi quando consegui fugir. Fiquei desesperada. Quando vi a foto dele na televisão o reconheci”, diz a vítima ainda assustada.

A ausência de dados concisos preocupa autoridades que atuam no combate à violência contra a mulher. O promotor Francisco de Jesus, da Promotoria da Mulher, alerta que esses dados são de grande importância para ações efetivas de combate à violência.

Hoje pela manhã, o Ministério Público apresenta o Sistema de Base Unificada, onde serão cadastrados todas as ocorrências de violência contra a mulher.

“É impossível contabilizar o número de estupros no Estado do Piauí, pois não há um sistema integrado entre as delegacias, órgãos públicos e entidades. Por isso há uma necessidade de implantação desse sistema”, revela o promotor.

O novo sistema, apresentado esta manhã na Promotoria da Mulher, terá dados coletados desde 2010 de todos os órgão que registram violência contra a mulher e será possível saber em detalhes sobre as ocorrências.

“Através do sistema vamos saber o bairro mais violento para a mulher e fazer um planejamento para reverter essa situação.

Além de detalhes como violência contra determinada faixa etária, cor de pele, local e mais”, explica o promotor Francisco de Jesus.

Fonte: Rhauan Macedo