Operação Natal da Polícia Militar é adiada pelasegunda vez em São Luís

A presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), Socorro Noronha, lamentou o atraso

O início das ações do Plano de Policiamento de Natal, preparado pelo Comando de Policiamento Metropolitano (CPM) da Polícia Militar (PM), foi adiado pela segunda vez este mês. Marcadas inicialmente para começar dia 1° de dezembro, as ações haviam sido transferidas para ontem, mas novamente tiveram que ser mudadas, agora para o próximo dia 9. O atraso nas operações, que tem como objetivo coibir a ação de bandidos na Rua Grande e adjacências durante este mês, compromete a segurança dos consumidores que fazem compras no centro comercial da cidade. Hoje, as lojas funcionam de 8h às 18h e amanhã, das 8h às 13h, horário especial de Natal.

Segundo o major Castelo Branco, do 9° Batalhão da PM, o plano deverá ser colocado em prática somente depois da formatura dos policiais militares pelo Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), da própria corporação. ?Tivemos um atraso na formatura, mas no mesmo dia que se formarem os policiais já serão deslocados para os principais centros comerciais da cidade?, afirmou o major Castelo Branco.

A presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), Socorro Noronha, lamentou o atraso das ações e ressaltou a falta que faz o policiamento no local, principalmente nesta época do ano, quando aumenta o fluxo de consumidores. Só neste início de mês, de acordo com a PM, cerca de 100 mil pessoas passam diariamente pelo centro comercial, número que deve triplicar à medida que se aproxima o Natal.

Atualmente, o efetivo responsável pela segurança no centro comercial é composto por 25 homens divididos nos turnos da manhã e tarde. Eles fazem parte da 4ª Companhia do 9° Batalhão, localizada no Colonial Shopping. Em caráter emergencial, 30 agentes do Batalhão de Missões Especiais já estão reforçando a segurança no Centro até dia 31 deste mês.

Insegurança

Assaltada na rua do Passeio nos primeiros dias de estadia na capital, a carioca Cristina Rodrigues Pires logo notou a falta de segurança no Centro. ?Achei muito estranho, porque quase não se vê policiais nas ruas?, espantou-se. A carioca comparo sua cidade natal e São Luís: ?No Rio tem mais violência. Isso é fato. Mas pelo menos no centro da cidade conseguimos olhar os policiais presentes, ao contrário daqui?.

Quem também passou pelo contratempo de ter seus pertences roubados foi a servidora pública Dinorá Lavra. Ela teve a bolsa roubada na Rua Grande e, agora, evita ir ao lugar. ?Acho uma falta de respeito com o contribuinte. Isso é um problema público gerado por falta de planejamento?, reclamou. Em relação ao atraso na execução do Plano de Policiamento de Natal, ela completou: ?Não era para ser uma ação especial. Tem que ser uma postura permanente da PM. A insegurança não é só no Natal?.

A esteticista Regina Pinho, que se encontrava no principal centro comercial fazendo as compras natalinas é enfática ao afirmar que só vai ao local quando é necessário. Embora nunca tenha sido assaltada, ela apontou a falta de segurança como o principal motivo. ?É um descaso com os cidadãos essa insegurança. Por mim, eu não viria, mas tive que acompanhar a minha mãe nas compras. Faço tudo para evitar?, ressaltou.

Fonte: Imirante, www.imirante.com.br