Operação policial do complexo do Alemão ""cativou"" público brasileiro como na Copa, diz The New York Times

Operação policial do complexo do Alemão ""cativou"" público brasileiro como na Copa, diz The New York Times

Os repórteres do diário descreveram a operação como

A ocupação do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, "cativou" os brasileiros como nenhum outro evento desde a Copa do Mundo da África do Sul, segundo o jornal The New York Times.

Os repórteres do diário descreveram a operação como "uma varredura militar rápida e definitiva" e disseram que "um ar de calma e alívio" se espalhou pelo conjunto de favelas, com moradores abrindo as janelas e voltando às ruas após a ocupação.

"Moradores se reuniram ao redor de aparelhos de televisão em bares e restaurantes, torcendo pela polícia como eles fariam por seus times de futebol favoritos, mesmo quando tiros ocasionais cobriam os céus ensolarados." Um artigo publicado pelo diário espanhol El País disse que políticos brasileiros estão vendendo a "liberação" do conjunto de favelas como o regresso ao estado democrático no Brasil.

"O Rio, e em parte o Brasil, estava tristemente acostumado com que os grandes centros urbanos estivessem sob o controle dos traficantes de drogas, que impunham suas leis com a conivência de policiais corruptos, advogados de presos perigosos, juízes e políticos que usam os traficantes para manter seu poder local e enriquecer." Segundo o artigo do correspondente Juan Arias, "a operação de reconquista do território do Rio com a maior concentração de traficantes começa a mostrar aos cidadãos quem tem o poder nas cidades: o tráfico ou o Estado".

O jornal britânico The Guardian descreveu a operação como "sem precedentes" na história da cidade, enquanto outro jornal espanhol, o El Mundo, destacou "a opulência dos palácios" dos traficantes descobertos pela polícia durante a operação.

"Os chefes da droga viviam como reis nas favelas cariocas do Complexo do Alemão", diz a reportagem, que descreve em detalhes a mansão de quatro andares do traficante conhecido como "Pezão", com jacuzzi, piscina e ar condicionado.





















































Fonte: UOL