Homem cobra justiça no enterro do filho de 2 anos baleado na cadeirinha

João Pedro morreu logo que deu entrada no Hospital Unimed junto com o pai.

O empresário Sandro Magno Costa, 47, deixou o Hospital Unimed de Contagem (MG), cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, neste domingo (16), onde está internado, para acompanhar o enterro do filho de 2 anos, assassinado na véspera.

"Eu quero que a polícia o prenda e faça justiça. Não quero fazer justiça com as minhas mãos", disse. O assassino continua foragido.

Com a roupa de internação da unidade de saúde, o empresário acompanhou o enterro do filho João Pedro Avelar Cotta morto durante tentativa de assalto neste sábado (15), em frente a casa da família, também em Contagem. A criança foi sepultada no Cemitério Municipal da Glória.

Após o funeral, Costa voltou para o hospital onde vai passar por uma cirurgia no ombro, que foi quebrado pelo tiro que levou. O empresário explicou que havia retirado o menino da cadeirinha, e segurava a criança no braço esquerdo, quando o assaltante atirou.

Cotta disse ainda que o assaltante fez três disparos, e não dois como foi divulgado inicialmente. Um deles, que atravessou seu ombro, foi fatal, acertando o tórax de João Pedro e matando-o.

João Pedro foi morto neste sábado por homem negro, alto, magro, vestindo camisa de um clube de futebol e um boné azul. Pai e filho chegavam em casa, quando o bandido anunciou o assalto. O homem queria o automóvel.

Assustado, o empresário Sandro Magno desceu do Honda Civic e foi retirar o filho da cadeirinha do banco de trás, para que João Pedro não fosse levado com o veículo. Ficou de costas para o assaltante e recebeu um tiro que atravessou seu ombro e foi parar no tórax da criança.

João Pedro morreu logo que deu entrada no Hospital Unimed junto com o pai.

O assassino não levou nada e teria fugido a pé. De acordo com a PM, existe a possibilidade de que o bandido tenha contado com a ajuda de outra pessoa, que o aguardava em outro veículo a alguns metros do local do crime. Câmeras de segurança de uma empresa próxima serão analisadas também.

Fonte: UOL