Pai de aluna denuncia professor da rede pública por abuso sexual no DF

A escola onde ele trabalha fica na Asa Sul, área central de Brasília, e o caso teria acontecido após a Feira de Ciências, há cerca de 20 dias.

O pai de uma aluna que estuda na rede pública de ensino do Distrito Federal está denunciando um professor de Física de abusar sexualmente de estudantes. A escola onde ele trabalha fica na Asa Sul, área central de Brasília, e o caso teria acontecido após a Feira de Ciências, há cerca de 20 dias.

Pelos relatos do pai, que não quis ser identificado, o professor teria se oferecido para levar quatro alunas que participariam da feira. Durante o trajeto até a escola, porém, o acusado teria iniciado uma conversa "erótica" com as garotas e chegou a tocar no assunto "opções sexuais".

Em determinado momento, o professor sugeriu que duas das jovens se beijassem, algo que, pela versão do denunciante, de fato teria acontecido. Em seguida, o agressor teria obrigado que uma das estudantes o beijasse.

? Depois que aconteceu a Feira de Ciências, este professor abordou de novo as meninas e ofereceu carona. Ele levou as alunas para lanchar e depois saiu com uma delas.

Quando chegou a casa, a filha do denunciante, que tem 14 anos e presenciou tudo, contou o que aconteceu para os pais. A família foi à escola fazer a denúncia e em seguida o caso foi registrado na DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), que está cuidando do caso.

? Não foi a minha filha quem sofreu o abuso, mas ela estava no meio das alunas, amigas dela, que participaram do episódio do lanche e do carro, onde duas meninas se beijaram.

Pelo o que o pai da jovem contou, o mesmo professor já teria sido denunciado por abuso sexual envolvendo uma aluna em 2010, em outra escola que trabalhou.

Por meio de nota, a PCDF (Polícia Civil do DF) informou que está apurando os fatos e que, no momento oportuno, irá se pronunciar sobre o caso. A Secretaria de Educação do DF esclareceu que a CRE (Coordenação Regional de Ensino) assim que soube da suspeita de abuso afastou o professor, que é de contrato temporário, da escola.

A pasta esclareceu que o profissional está suspenso das atividades até que seja concluída a investigação policial e que foi aberto um processo de sindicância.

Fonte: r7