Pais de adolescente suspeita de arrancar coração de amiga são ouvidos pela Polícia

Pais de adolescente suspeita de arrancar coração de amiga são ouvidos pela Polícia

Garota teve coração arrancado; outra adolescente também é suspeita.

Os pais de uma das adolescentes suspeitas de matar uma menina de 12 anos foram ouvidos nesta terça-feira (19). O delegado Enrique Solla, responsável pelo caso, disse que a primeira audiência com as duas suspeitas vai ser realizada nesta quinta-feira (21), em Igarapé, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. As duas adolescentes de 13 anos, amigas da vítima, foram apreendidas na terça-feira (12) e quarta-feira (13) por suspeita de terem matado a menina e arrancado o coração dela. Na quinta-feira (7), o corpo da garota foi encontrado em uma mata da cidade, já em decomposição.

Solla afirmou que outros pais devem prestar depoimento nesta quarta-feira (20). A previsão da polícia é de que o corpo da adolescente seja liberado do Instituto Médico Legal (IML) até a semana que vem, após a realização da perícia.

A mãe da garota de 12 anos morta em São Joaquim de Bicas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, havia procurado o Conselho Tutelar da cidade pedindo apoio para a filha, que seria usuária de drogas. Segundo a conselheira tutelar Fabiane Costa Santos, o órgão tentou encaminhar a menina ao Centro de Apoio de Dependentes Químicos (Caps), mas ela recusou o tratamento.

A conselheira também informou que tentava encontrar uma clínica para a internação da garota. A menina morava com a mãe, o padrasto e a avó. Ela saiu de casa no dia 26 de maio e disse que iria a uma festa. Ela nunca mais voltou.

De acordo com o delegado, foi constatado que as três amigas namoravam traficantes da região e eram usuárias de drogas. Ele relatou que, em depoimento, as duas meninas que foram apreendidas disseram que tinham medo de que a mais nova passasse informações sobre a venda dos entorpecentes a uma facção rival.

O crime

Na tarde do dia 27 de maio, as três meninas saíram para assistir a um jogo de futebol em um campo próximo à Mata do Japonês, na cidade. Mas, de acordo com o depoimento das adolescentes, o objetivo era atrair a vítima e dar um susto nela. As garotas também relataram aos policiais que a situação se descontrolou quando colocaram uma faca no pescoço da vítima e esta se feriu ao tentar reagir contra as agressoras. Neste momento, elas teriam decidido matá-la.

Uma barra de ferro foi usada para golpear a vítima. Em seguida, elas contaram à polícia ter usado uma faca para abrir o corpo e retirar o coração. ?Elas chutaram a garota e enfiaram a faca nas costas dela. Segundo o depoimento, esta facada não teria surtido muito efeito. Elas empurraram ela no chão e passaram a golpear com a barra de ferro a cabeça da menina?, explicou o delegado.

A polícia encontrou a barra de ferro no local indicado pelas meninas e a faca ainda é procurada. Elas disseram ao delegado que não receberam ajuda para cometer o crime. ?Nós ainda vamos apurar para ver se existe a possibilidade de um mandante, a participação de mais alguém, mas as informações que elas passaram para nós todas estão batendo?, disse.

Os policiais se mostraram chocadas com a reação das garotas. ?Elas não mostraram em nenhum momento arrependimento?, contou Solla. As adolescentes estão apreendidas no Centro de Reeducação São Jerônimo, no bairro Horto, na Região Leste de Belo Horizonte, após uma medida socioeducativa de internação provisória de 45 dias. Segundo o delegado, elas podem permanecer internadas por, no máximo, três anos.

Fonte: G1