Pais de garota de 10 anos sequestrada em Mato Grosso são presos

A mãe adotiva de Ida, Tarsila Siqueira, tinha guarda provisória.

A polícia italiana comunicou nesta quarta-feira a prisão dos pais biológicos da menina Ida Verônica Feliz, de 10 anos, sequestrada em 2013 em Cuiabá. Eles são os principais suspeitos do sequestro da criança, que vivia com a família adotiva desde os quatro meses de idade.


Image title

Em janeiro deste ano, a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) localizou a menina na região de Cassola na Itália. No entanto, no mês seguinte, a Secretaria de Direitos Humanos (SDH), ligada à Presidência da República, que também acompanha o caso, alegou ter ocorrido um equívoco por parte da Interpol e que, na verdade, Ida estaria na República Dominicana.

A mãe adotiva de Ida, Tarsila Gonçalina de Siqueira, que tinha a guarda provisória da menina após ela ter sido abandonada pelos pais biológicos em Cuiabá, ainda não sabe o paradeiro da filha.

“Fiquei sabendo da prisão deles [dos pais] pela internet. Desde que ela foi localizada, não tenho informações sobre com quem ela está e nem onde está morando”, disse.

O caso
Ida é filha de uma dominicana com um italiano. Devido à prisão dos pais biológicos no Brasil por tráfico de drogas, a menina foi entregue aos cuidados de uma mãe adotiva. Ela foi deixada pelos pais em um hotel, onde a irmã adotiva trabalhava. A funcionária manifestou interesse em ficar com a criança e a família conseguiu a guarda.

A criança foi levada à força por um homem armado de dentro da residência onde morava com a família adotiva, no Bairro Goiabeiras, na capital. No momento, só estava ela e a irmã adotiva no local. Quando o sequestrador viu a menina, que à época tinha 8 anos, ele entrou na casa, a arrastou pelos cabelos e a levou até o carro, onde estava um cúmplice dele.

Com a menina, os sequestradores entraram em contato com a família adotiva por meio de mensagem SMS e fizeram ameaças caso a polícia continuasse investigando o caso. Depois de encerrar as buscas sem sucesso, a Polícia Civil de Mato Grosso repassou as investigações para a Interpol, que emitiu alerta com informações sobre as características da menina.

Fonte: Com informações do G1