Palestra de PMs gera tumulto e alunos tentam agredir professora

Dois estudantes foram transferidos; uma foi expulsa

Os estudantes do período noturno de uma escola pública de Fortaleza tentaram agredir uma professora após a chegada de PMs do programa de policiamento comunitário do Ceará para uma palestra em sala de aula. Um deles desacatou a polícia e recebeu voz de prisão. Revoltados, os alunos se reuniram no pátio, chutaram uma porta e queriam bater na professora. O tumulto na Escola Municipal Maria Bezerra Quevedo, no Bairro Novo Mondubim, em Fortaleza, na segunda-feira (20), foi filmado e postado nas redes sociais.


Palestra de PMs gera tumulto e alunos tentam agredir professora

Imagens postadas no You Tube mostram os estudantes tentando deixar a escola ao saberem da presença dos policiais do Ronda do Quarteirão, no entanto, os portões estavam trancados. Eles tentam arrombar a porta da secretaria, onde estava a professora que planejou a palestra, para agredi-la. Dois estudantes chutam a porta seguidas vezes, entre eles, uma jovem de 20 anos que acabou expulsa.

Além da expulsão da aluna, dois adolescentes foram transferidos, segundo o chefe do distrito de educação da Secretaria Executiva Regional V (SER V), Luciano Nery.

"Evento surpresa"

Segundo Nery, a escola e os arredores têm histórico de violência. Após uma avaliação realizada neste ano, verificou-se "abandono" da unidade por parte da direção e secretaria. A professora foi enviada para iniciar um projeto de cultura de paz entre os alunos. Ainda de acordo com Nery, o evento com os policiais fazia parte do projeto e foi previamente informado aos estudantes. Mas na data marcada para a palestra, os estudantes se mostraram surpresos com a presença dos policiais e acreditaram se tratar de uma denúncia.

Secretaria de Educação

Em contato, a Secretaria Municipal de Educação (SME) confirmou que os portões estavam fechados, o que foi condenado pelo órgão, que recomenda o diálogo. O órgão afirma que ""nada justifica o ato de destruição do patrimônio público"" praticado pelos estudantes. Ainda segundo a SME, diretoria e secretaria foram exoneradas, uma junta de intervenção formada por dois diretores e um secretário assumiu a unidade até junho.

Fonte: G1