Parte de carga de tablets roubada em mega-assalto é achada em galpão

Tablets e smartphones foram levados de centro logístico de Campinas.

O Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil encontrou na noite desta terça-feira (19) parte da carga de tablets e smartphones roubada no sábado (16) do Centro Logístico Brasil (CLB), no distrito de Nova Aparecida, em Campinas (SP), interior de São Paulo.

A primeira parte da carga foi localizada num galpão nos fundos de uma casa, em Vargem Grande Paulista, na Grande São Paulo. Um suspeito foi preso no local.



Horas depois, a polícia foi até um terreno na Zona Oeste de São Paulo, onde encontrou um caminhão abandonado com mais smartphones e tablets.

"A carga acaba sendo espalhada, é uma tática que eles [ladrões] usam para evitar que a polícia encontre tudo de uma vez. Eles querem evitar o prejuízo, então eles fracionam a carga", explicou o delegado do GOE, Fabio Baena Martin.

Os policiais vão continuar as investigações durante a madrugada desta quarta-feira (20) para tentar encontrar mais carga roubada.

Os homens invadiram o local se passando por funcionários do setor de segurança. Armados de fuzis e pistolas de uso exclusivo das Forças Armadas renderam os vigias e, em três horas, carregaram caminhões e veículos com os equipamentos.

A informação divulgada inicialmente era de que os assaltantes tinham rendido um vigia que estava a caminho do centro logístico com um carro da empresa. No entanto, após os depoimentos foi verificado que a estratégia adotada pelo bando utilizou um carro clonado com adesivos da empresa de vigilância.

Segundo o delegado da seccional, José Carlos Rolim Neto, na portaria do centro os criminosos teriam se identificado como supervisor de segurança e teve o acesso liberado. A partir disso, os criminosos renderam outros vigias.

Parte dos funcionários ficou trancada em veículos da empresa, enquanto outros foram obrigados a carregar os equipamentos eletrônicos para os carros e caminhões dos suspeitos. A quadrilha também roubou as três armas e coletes dos seguranças.

No local, a polícia apreendeu bitucas de cigarro, uma camiseta, um alicate, uma luva e um pedaço de algodão com mancha vermelha, que pode indicar sangue. O material será avaliado pelo Instituto de Criminalística (IC).

Fonte: G1