Perna encontrada no rio Tietê não é de Eliza, diz DNA

Perna encontrada no rio Tietê não é de Eliza, diz DNA

Outro exame de DNA revelou que a mesma perna esquerda achada no Tietê pertence a uma mulher de 59

A perna encontrada no dia 3 de julho no Rio Tietê, em Botucatu, no interior de São Paulo, não é de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno, que está desaparecida desde junho, informou nesta terça-feira (21) a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) do município paulista.

De acordo com o delegado assistente da DIG, Sérgio Castanheira, o resultado do exame de DNA comparativo entre a perna e o material genético de Eliza deu negativo. O teste foi feito no Instituto de Criminalística (IC) da capital paulista a pedido do delegado Edson Moreira, da Polícia Civil de Minas Gerais, responsável por apurar o sumiço da modelo e atriz. O resultado foi conhecido na semana passada.

Em contrapartida, outro exame de DNA revelou que a mesma perna esquerda achada no Tietê pertence a uma mulher de 59 que morava em Cerqueira César, no interior de SP, e foi vista pela última vez em junho em Avaré, cerca de 100 quilômetros de Botucatu. As unhas da perna estavam pintadas com esmalte rosa.

?O exame comparativo com o material da Eliza deu negativo, mas com o dessa senhora deu positivo. Segundo o relatório de análise, há 99,97% de chances de a perna ser dessa mulher de Cerqueira César?, afirmou o delegado Castanheira, por telefone ao G1.

Segundo o policial, a mulher de 59 anos era viúva e sobrevivia graças à pensão do marido morto. Para ele, existe a possibilidade dela ter sido vítima de um crime.

?Ela pode ter sido assassinada. Por enquanto, o namorado que ela tinha está sendo averiguado na condição de suspeito, mas não temos nada concreto contra ele para afirmarmos que ele a matou. Apesar disso, ele foi a última pessoa que a viu. Temos informações que ela teria ido para uma rodoviária em Avaré e sumiu. Sabemos que ele foi ouvido naquela cidade e negou o homicídio. Mesmo assim, vamos chamá-lo esta semana para ser ouvido aqui em Botucatu?, disse Castanheira.

Caso Bruno

Bruno e outras pessoas estão presos por suspeita de envolvimento com os supostos sequestro e morte de Eliza. Mesmo sem ainda ter encontrado o corpo, o delegado Moreira afirma que a mulher foi assassinada. Depoimento inicial de um adolescente dizia que ela foi morta e esquartejada. A defesa do goleiro, que foi desligado do Flamengo, no Rio, nega os crimes e diz que ela está viva.

Fonte: g1, www.g1.com.br