PF deflagra nova fase da Operação Lava Jato no Piauí

A 26ª fase da Operação Lava Jato foi batizada Operação Xepa

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (22) a 26ª fase da Operação Lava Jato. A nova fase seria um desdobramento da 23ª fase, a Acarajé, que prendeu o publicitário João Santana e sua mulher, Monica Moura.

A 26ª fase da Operação Lava Jato foi batizada Operação Xepa. Cerca de 380 Policiais Federais cumprem 110 ordens judiciais nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia, Piauí, Distrito Federal, Minas Gerais e Pernambuco. Estão sendo cumpridos 67 mandados de busca e apreensão, 28 mandados de condução coercitiva, 11 mandados de prisão temporária e 04 mandados de prisão preventiva.

Na Polícia Federal do Piauí, localizada na Avenida João XXIII,onde um empresário piauiense foi ouvido pelo delegado Albert, responsável por conduzir a 26º fase da operação Laca Jato. O homem foi levado até a sede da PF coercertivamente, e chegou acompanhado de um advogado. O delegado Albert, do núcleo de inteligência da PF está comandando a fase do Lava Jato no Piauí.

O chefe da Comunicação Social da Polícia Federal do Piauí, José Carlos Fontenele, informou que foi cumprido um mandado de busca e apreensão em Teresina da Operação Lava Jato. Ele afirmou que não sabe ainda o que foi apreendido, mas aparentemente tenha sido documentos e computadores.

Os trabalhos desenvolvidos são um desdobramento da 23ª fase, Acarajé. Em decorrência da análise de parte do material apreendido, descortinou-se um esquema de contabilidade paralela no Grupo Odebrecht destinado ao pagamento de vantagens indevidas a terceiros, vários deles com vínculos diretos ou indiretos com o poder público em todas as esferas. O material indicou a realização de entregas de recursos em espécie a terceiros indicados por altos executivos do grupo nas mais variadas áreas de atuação do conglomerado empresarial.

Há indícios concretos de que o grupo se utilizou de operadores financeiros ligados ao mercado paralelo de câmbio para a disponibilização de tais recursos. Os investigados responderão, dentre outros, pelos crimes de corrupção, evasão de divisas, organização criminosa e lavagem de ativos.

Os investigados conduzidos coercitivamente serão ouvidos em suas respectivas cidades, enquanto os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.


Image title


Fonte: Portal Meio Norte