PF prende 10 e apreende R$ 5 milhões no CE

Justiça e Polícia Federal põem fim às atividades do grupo que controlou Jogo do Bicho

?Nosso objetivo foi alcan?ado. A inten??o era acabar com a c?pula, com a cabe?a da organiza??o criminosa. N?o adiantava pegar as bancas, logo elas seriam substitu?das. Ent?o, como que a gente fez isso? A gente prendeu os respons?veis e seq?estrou o pr?dio que eles chamam de banco.?

A declara??o foi dada, em entrevista coletiva, ontem ? tarde, pela delegada da Pol?cia Federal, Ana Cl?udia Diniz, que chefiou a ?Opera??o Arca de No?. Duzentos policiais federais, entre eles, atiradores do Comando de Opera?es T?ticas (COT), vindos de Bras?lia, ?estouraram? o Banco Paratodos, que controlava, no Cear?, h? cerca de 30 anos, a explora??o do Jogo do Bicho. Dez pessoas foram presas, entre elas, oito diretores do ?Paratodos?, e quatro est?o foragidas. A PF apreendeu ainda cerca de R$ 5 milh?es nos cofres do banco.

Pris?es

A opera??o foi desencadeada, a partir das 5 horas da manh?, em v?rios locais de Fortaleza, entre elas, as resid?ncias dos diretores do ?Paratodos?, e o pr?prio banco, que funcionava num pr?dio de cinco andares na Avenida Trist?o Gon?alves, 123, em pleno Centro de Fortaleza.

At? o come?o da noite passada, a PF tinha contabilizado a pris?o das seguintes pessoas: Francisco Moror? (presidente da organiza??o), 80 anos; seu filho, Francisco Lima Moror?, 64; os s?cios F?bio Leite de Carvalho, F?bio Leite de Carvalho J?nior, Jo?o Carlos de Mendon?a, Jo?o Evangelista Camelo Rebou?as, Arnaldo Paula Viana e al?m da gerente do banco, Vilauba Maria de Paiva Salvador.

Na mesma a??o, a PF prendeu tamb?m o policial militar reformado Jo?o Ara?jo Cris?stomo, acusado de comandar a seguran?a particular do banco; e o irm?o dele, o delegado Francisco Carlos Ara?jo Cris?stomo, superintendente-adjunto da Pol?cia Civil do Cear?. Est?o foragidos e sendo procurados pela PF outros quatro s?cios do ?Paratodos?: Hamilton de Paula Viana, seu filho Hamilton Paula Viana Filho; Jos? Geraldo Martins de Souza e Francisco de Assis Rodrigues de Souza.

Segundo a delegada Ana Cl?udia Diniz, todos os acusados, ? exce??o do delegado Cris?stomo, tiveram pris?o tempor?ria de cinco dias decretada pelo juiz federal Danilo Fontenelle, titular da 11? Vara da Justi?a Federal no Cear?.

Investiga??o

Os diretores do ?Paratodos? vinham sendo investigados desde 2002, num inqu?rito instaurado pela PF para apurar, a princ?pio, os crimes de sonega??o fiscal e contra o sistema financeiro nacional. Mas, segundo Ana Cl?udia, no decorrer das dilig?ncias sigilosas, quando foram quebrados os sigilos telef?nico, fiscal e banc?rio dos acusados, acabaram sendo descobertos outros delitos graves como: corrup??o ativa e passiva, inclusive de agentes p?blicos; prevarica??o, tr?fico de influ?ncia, posse ilegal de armas, exerc?cio ilegal de seguran?a privada e ?lavagem? de dinheiro, sem contar a contraven??o penal do Jogo do Bicho.

Na semana passada, a PF decidiu que havia chegado a hora de ?estourar? o esquema criminoso e encaminhou ? Justi?a Federal o pedido de pris?o para 13 envolvidos, al?m de 21 mandados de busca e apreens?o. O pedido foi deferido pelo juiz Danilo Fontenelle e, logo, o superintendente da PF no Cear?, delegado Aldair da Rocha, pediu a mobiliza??o de agentes de outros Estados.

Na entrevista coletiva, Aldair da Rocha afirmou que o objetivo foi alcan?ado, pois a desarticula??o da rede criminosa s? seria poss?vel se os ?cabe?as? fossem presos. Ele ressaltou que o trabalho da PF n?o tinha por objetivo reprimir a pr?tica do Jogo do Bicho, pois segundo ele, esta era uma atribui??o da Pol?cia Estadual. A PF entrou no caso quando descobriu a pr?tica de delitos federais, como a sonega??o de impostos e crimes contra a organiza??o financeira do Pa?s.

A delegada informou que os agentes tiveram que arrombar v?rios cofres espalhados pelo interior do banco, al?m de chegar ao cofre-forte, onde foram encontrados os R$ 5 milh?es em esp?cie. Al?m disso, toda a contabilidade do ?Paratodos? foi confiscada e ser? submetida a an?lise pela per?cia cont?bil.

Segundo a delegada que comandou a opera??o ?Arca de No?, somente ao fim deste exame pericial ser? poss?vel constatar quanto o banco movimentava por m?s e qual o volume de sonega??o praticada nos ?ltimos anos.

Fonte: Diário do Nordeste, www.diariodonordeste.com.br