PM acusado de matar a esposa a tiros no DF se entrega

Acompanhado do advogado, o militar se apresentou na delegacia de Vicente Pires

O policial militar acusado de assassinar a própria esposa na madrugada da última segunda-feira (3) no Distrito Federal se entregou à polícia na noite de terça-feira (4). Depois do crime, ele teria fugido com as duas filhas do casal, de 2 e 3 anos de idade, e era procurado. O tenente se apresentou com um ferimento de tiro na perna, foi levado ao IML, e em seguida para exame de corpo delito.

Acompanhado do advogado, o militar se apresentou na delegacia de Vicente Pires, cidade próxima a Brasília, onde o crime ocorreu. O advogado disse que o policial efetuou quatro tiros contra a mulher. Depois, teria tentado o suicídio, mas quando ia atirar na cabeça a arma teria disparado antes na perna dele.

Escoltado pela polícia, o tenente chegou ao IML depois das 23h. De cabeça baixa e mãos no rosto, ele ficou na viatura enquanto um oficial despachava o pedido. Depois, entrou de muletas e amparado pelo mesmo oficial.

O militar é acusado de ter matado a esposa, de 31 anos, quando ela chegava em casa de carro com o filho de 16 anos na madrugada de segunda-feira. Em seguida, o policial teria fugido com as duas filha.

O filho da vítima e enteado do acusado contou ao DFTV como tudo aconteceu. "Nós chegamos e ele já estava encostado no portão, com o carro, pronto pra sair com as meninas. Na hora que paramos para falar, ele chegou perguntando para minha mãe se ia ser assim. Minha mãe falou: ?assim como??. Ele puxou a arma e disparou contra ela. Deu quatro tiros na minha mãe e mirou a arma para o meu lado. Minha mãe colocou o braço na frente. Foi quando tomou o quinto tiro", conta o adolescente.

A versão é diferente da que foi dada pelo advogado Geraldo Cortes, que defende o acusado. E ele completa: ?É um crime meramente passional. Por paixão e por distorção comportamental, entre conduta dele e dela também. E por ciúme, pois ela era uma mulher bonita?, afirma o advogado. O tenente deve ser ouvido nesta quarta-feira (5).

A bala que feriu o policial foi entregue para perícia. O tenente ficará preso até sábado no complexo penitenciário da Papuda. Ele será indiciado por homicídio duplamente qualificado.

?Por tratar-se de motivo fútil e também por ele ter pegado a esposa de emboscada. O que foi considerado aqui nas investigações?, explica o delegado Gerardo Carneiro.

O delegado disse que pode pedir a prorrogação da prisão do policial. Hoje ele vai receber a arma do crime. Sobre as crianças, o advogado disse que elas não presenciaram o assassinato da mãe e estão bem, na casa de parentes do pai.

Fonte: g1, www.g1.com.br