PM mata 2; para a polícia, eram bandidos para família, inocentes

PM mata 2; para a polícia, eram bandidos para família, inocentes

Os PMs envolvidos no caso foram ouvidos no início da madrugada desta quinta-feira

Um policial da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Andaraí, na Zona Norte do Rio, matou duas pessoas, na noite desta quarta-feira, na comunidade. A Polícia Militar alega que os homens eram traficantes e atacaram o policial e outro militar, que apenas revidaram. As famílias das vítimas contestam essa versão e afirmam que os rapazes estavam desarmados.

Jean Marlon Alves Vieira, de 18 anos, e Edinilson da Conceição, de 21, estavam na Rua Leopoldo, em uma localidade conhecida como Escadão, quando foram atingidos, por volta das 21h. A versão da Polícia Militar, passada por meio da assessoria de imprensa das UPPs, é de que a dupla estava vendendo drogas no local. Durante uma ronda, dois policiais viram os homens, que atiraram contra eles. Um dos policiais atirou com fuzil, e com um único disparo, acertou ambos.

Ainda de acordo com a versão da PM, os próprios soldados solicitaram socorro para atender às vítimas. Ambos foram levados para o Hospital Federal do Andaraí. Jean Marlon morreu assim que chegou no hospital. O rapaz foi atingido no rosto. Já Edinilson foi atingido por um disparo que entrou por sua nuca e saiu na testa. Ele chegou a ser operado, mas morreu durante a cirurgia.

Na 19ª DP (Tijuca), onde o caso foi registrado, os policiais apresentaram um revólver calibre 32, uma réplica de pistola, 152 papelotes de cocaína e 106 trouxinhas de maconha. Agentes da delegacia informaram que Jean, quando menor de idade, teve anotações por roubo, e Edinilson por tráfico de drogas.

As famílias das vítimas contestam a versão da Polícia Militar. Eles afirmam que não houve troca de tiros e que apenas os policiais atiraram. Segundo a irmã de Edinilson, que se identificou apenas como Dulcineia, apenas dois tiros de fuzil foram disparados. Ela contou ainda que o irmão trabalhava como biscateiro e havia saído de casa menos de dez minutos antes de ser baleado.

O irmão de Jean, que preferiu não se identificar, confirmou que apenas dois tiros foram disparados. Ele contou ainda, que por volta das 18h de quarta-feira, Jean foi abordado por Pms que encontraram maconha com ele. Jean teria sido levado para a base da UPP e ouvido que da próxima vez que ele fosse pego seria diferente. Os parentes também alegam que as armas e as drogas foram forjadas pela polícia.

A delegada de plantão da 19ª DP pediu a apreensão dos fuzis utilizados por ambos os policiais. A perícia já foi realizada no local. O caso será investigado como auto de resistência, tráfico de drogas e porte de amas.

Os PMs envolvidos no caso foram ouvidos no início da madrugada desta quinta-feira. O comandante e o subcomandadnte da UPP do Andaraí também estiveram na delegacia. Eles preferiram não dar declarações sobre o caso.

Fonte: Extra