PM morto na Vila Cruzeiro é enterrado: "Quem matou foi o Estado",acusa noiva

Morto na Vila Cruzeiro, policial militar é enterrado em Sulacap, na manhã deste sábado

Foi enterrado, na manhã deste sábado, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, Wagner Vieira da Cruz, o policial militar morto na Vila Cruzeiro, na noite de quinta-feira. Ele chegou a ficar internado durante uma semana no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu. Wagner, de 33 anos, era sociólogo e deixa uma filha de oito anos, Hanna Jaqueline. Ele estava há menos de um mês na corporação.


PM morto na Vila Cruzeiro é enterrado no Rio:

Durante o sepultamento, a irmã de Wagner, a pedagoga Renata Vieira Cruz, de 36 anos, gritou ?um bom soldado não foge à luta?. Bastante abalada, uma senhora que também fez uma despedida emocionada: ?Meu filho, vem me buscar. Estou perto de ir para lá, estou com meus dias contados?. Renata lembrou que, no dia em que o irmão morreu, ?eram quatro policiais dentro de um contêiner, com um único fuzil antigo?.

A noiva do policial, a balconista Fernanda Pinto Detrano, de 31 anos, afirmou que ?se não fosse ele, seria o amigo.? Fernanda disse que, nessa época de carnaval, os bandidos querem vender mais drogas. ?Que experiência ele tinha? Nenhuma. Quem matou Wagner não foi nenhum bandido, foi o Estado?, acusou. No dia da sua morte, ele admitiu para a noiva que sentia medo: ?Ele disse que o clima estava tenso e que a rua estava cheia, que não podia cochilar.? Os dois tinham planos de casar em fevereiro de 2015 e de ter um filho.

Wagner foi baleado no rosto em um confronto com traficantes da Vila Cruzeiro, durante um patrulhamento do local. Formado em 17 de janeiro, ele estava lotado na UPP da área. Wagner é o quinto PM de UPP morto em serviço nos últimos cinco meses.

Comandante-geral das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs), o coronel Francisco Caldas disse que ?em todas as UPPs, estão sempre os melhores policiais?. Segundo Caldas, os mais antigos são mesclados com os recém-formados, porque eles estão chegando ?sem o trauma, zerados, sem nenhum conflito?.

De acordo com o coronel, eles fazem, primeiro, um patrulhamento de reconhecimento da área. ?O que temos feito no Complexo do Alemão é dar uma carga maior de treinamento para os policiais, que chegam a ser treinados seis horas por semana, ao longo do serviço. Nenhum policial fica sozinho. Nos preocupamos com a segurança, mas todo profissional só ganha experiência trabalhando?, disse.

Caldas acrescentou que a PM tem um plano de intensificar o treinamento desses policiais, com mais instruções de tiros. ?Uma cartilha sobre a abordagem está sendo elaborada?. Sobre a afirmação da noiva de Wagner, Caldas disse apenas que ?tem todo respeito pela família, é um desabafo e ele respeita isso?. O comandante finalizou dizendo que a Polícia Militar está trabalhando em parceria com a Civil para que os responsáveis pelo crime sejam presos.

Amigos e parentes de Rodrigo se despediram do policial cantando a música ?Gostava Tanto de Você?, do Tim Maia.

Fonte: Extra